LUTO

LUTO

Aos 34 anos, Andresa Chiareli Reis morre de leucemia

Aos 34 anos, Andresa Chiareli Reis morre de leucemia

“Estava tudo sob controle e se desenhando para fazer o transplante. Ela estava passando bem. Foi como se a gente perdesse o chão mesmo”, diz a tia Gleida Helena Dias Chiareli.

“Estava tudo sob controle e se desenhando para fazer o transplante. Ela estava passando bem. Foi como se a gente perdesse o chão mesmo”, diz a tia Gleida Helena Dias Chiareli.

Por Pedro Baccelli | 25/02/2022 | Tempo de leitura: 1 min
da Redação

Por Pedro Baccelli
da Redação

25/02/2022 - Tempo de leitura: 1 min

Arquivo familiar

Andresa Chiareli Reis: o sepultamento aconteceu na tarde desta sexta-feira

Andresa Chiareli Reis, de 34 anos, morreu na manhã desta sexta-feira, 25, vítima de leucemia. A francana era solteira e não deixa filhos.

Diagnosticada com a doença em agosto de 2021, Andresa estava em casa, seguindo o tratamento e se preparando para um transplante de medula óssea. A mulher não resistiu aos impactos causados pela doença e foi encontrada sem vida por volta das 6h30.

“Baixou as plaquetas e ficou fraca por conta da quimioterapia. As últimas sessões de quimioterapia foram mais fortes, mexeu muito com o organismo e não resistiu", conta a tia Gleida Helena Dias Chiareli, de 50 anos.

Muito alegre e forte, a moradora do bairro Nova Franca tinha dois empregos. Trabalhava em uma loja de roupas e como esteticista.

Querida por todos, familiares e amigos lamentaram sua morte. “A gente achou que estava tudo certo, que estava tudo sob controle e se desenhando para fazer o transplante. Ela estava passando bem. Foi como se a gente perdesse o chão mesmo”, diz Gleida.

O velório aconteceu na tarde desta sexta-feira no Memorial Nova Franca e o sepultamento foi em seguida, por volta das 16 horas, no município de Ribeirão Corrente, ao lado dos avós maternos.

Andresa Chiareli Reis, de 34 anos, morreu na manhã desta sexta-feira, 25, vítima de leucemia. A francana era solteira e não deixa filhos.

Diagnosticada com a doença em agosto de 2021, Andresa estava em casa, seguindo o tratamento e se preparando para um transplante de medula óssea. A mulher não resistiu aos impactos causados pela doença e foi encontrada sem vida por volta das 6h30.

“Baixou as plaquetas e ficou fraca por conta da quimioterapia. As últimas sessões de quimioterapia foram mais fortes, mexeu muito com o organismo e não resistiu", conta a tia Gleida Helena Dias Chiareli, de 50 anos.

Muito alegre e forte, a moradora do bairro Nova Franca tinha dois empregos. Trabalhava em uma loja de roupas e como esteticista.

Querida por todos, familiares e amigos lamentaram sua morte. “A gente achou que estava tudo certo, que estava tudo sob controle e se desenhando para fazer o transplante. Ela estava passando bem. Foi como se a gente perdesse o chão mesmo”, diz Gleida.

O velório aconteceu na tarde desta sexta-feira no Memorial Nova Franca e o sepultamento foi em seguida, por volta das 16 horas, no município de Ribeirão Corrente, ao lado dos avós maternos.

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Antonio Ronca
    26/02/2022
    Sentimentos a familia