MEDICINA

MEDICINA

Médico acusado de falsificar remédio não é endocrinologista, diz Cremesp

Médico acusado de falsificar remédio não é endocrinologista, diz Cremesp

Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) informou que Rogério Miyashiro não possui título de especialista e não podia se apresentar como endocrinologista.

Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) informou que Rogério Miyashiro não possui título de especialista e não podia se apresentar como endocrinologista.

Por Kaique Castro | 10/05/2022 | Tempo de leitura: 2 min
da Redação

Por Kaique Castro
da Redação

10/05/2022 - Tempo de leitura: 2 min

Reprodução

Rogério Henrique Miyashiro anunciava 'medicina esportiva/endocrinologia'

O médico Rogério Henrique Miyashiro, que foi preso acusado de vender anabolizantes falsificados e com comercialização proibida no país, não possui o título de endocrinologista ou de qualquer outra especialidade segundo o Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo).

No site do órgão, onde qualquer pessoa pode acessar e checar a formação de qualquer médico, Rogério aparece com situação regular, mas sem nenhuma especialidade registrada. Em suas redes sociais, porém, o médico mencionava as áreas de endocrinologia e medicina esportiva.

“O Cremesp informa que o médico em questão não possui título de especialista registrado no Cremesp”, disse o órgão em nota. No site da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia também não é possível localizar o nome de Rogério Henrique Miyashiro.

Ainda segundo o Cremesp, Miyshiro poderia prestar atendimento sem ter a especialidade, mas sem se identificar como um especialista. “O Conselho esclarece ainda que o médico pode prestar atendimento, sem especialidade, desde que se responsabilize pelos seus atos, no entanto, o médico está impedido de se intitular e/ou divulgar títulos de especialidade que não tenham sido devidamente registrados junto ao Cremesp”, continuou a nota.

Agendamento
Na sua biografia do Instagram, havia um link onde era possível agendar consulta. Após clicar, uma aba se abria com os dizeres “agende sua avaliação para bioplastia de glúteos” ou “agende sua consulta para medicina esportiva/endocrinologia”.

Depois da prisão, a rede social que era aberta ao público teve todas as fotos retiradas, e virou um perfil privado. 

No consultório do médico, constam na fachada as palavras "medicina esportiva" associadas ao seu nome.

Revolta no meio
A atitude do médico gerou revolta entre outros colegas que possuem a especialidade. Para a endocrinologista Ana Paula Figueiredo Engler Goulart, a atitude de Rogério é comum entre outros médicos.

“Essa conduta dele na nossa visão não é uma boa prática médica. Assim com ele, vários outros médicos se denominam especialistas, e não são. Principalmente em especialidades que de certa maneira vendem alguma coisa sedutora para pessoas. Então muitos profissionais mentem. Eles não passam pelo caminho da formação e se dizem especialistas”, disse a médica.

Ainda de acordo com Ana Paula, os pacientes devem se atentar antes de procurar algum médico especialista, checando formação do profissional em sites dos órgãos responsáveis, escolhendo os devidamente treinados e, desta forma, defender-se melhor de crimes contra a saúde pública.

Liberado 
Depois de ser preso nesta segunda-feira, 9, o médico passou por audiência de custódia na manhã desta terça-feira, 10, e foi solto. Ele responderá pelo crime de falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais. Se condenado, o médico pode pegar até 15 anos de cadeia.

Defesa: "Cursos de especialização"
A defesa do médico informou que ele tem cursos de especialização e que todos os documentos serão incluídos nos autos do processo.

O médico Rogério Henrique Miyashiro, que foi preso acusado de vender anabolizantes falsificados e com comercialização proibida no país, não possui o título de endocrinologista ou de qualquer outra especialidade segundo o Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo).

No site do órgão, onde qualquer pessoa pode acessar e checar a formação de qualquer médico, Rogério aparece com situação regular, mas sem nenhuma especialidade registrada. Em suas redes sociais, porém, o médico mencionava as áreas de endocrinologia e medicina esportiva.

“O Cremesp informa que o médico em questão não possui título de especialista registrado no Cremesp”, disse o órgão em nota. No site da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia também não é possível localizar o nome de Rogério Henrique Miyashiro.

Ainda segundo o Cremesp, Miyshiro poderia prestar atendimento sem ter a especialidade, mas sem se identificar como um especialista. “O Conselho esclarece ainda que o médico pode prestar atendimento, sem especialidade, desde que se responsabilize pelos seus atos, no entanto, o médico está impedido de se intitular e/ou divulgar títulos de especialidade que não tenham sido devidamente registrados junto ao Cremesp”, continuou a nota.

Agendamento
Na sua biografia do Instagram, havia um link onde era possível agendar consulta. Após clicar, uma aba se abria com os dizeres “agende sua avaliação para bioplastia de glúteos” ou “agende sua consulta para medicina esportiva/endocrinologia”.

Depois da prisão, a rede social que era aberta ao público teve todas as fotos retiradas, e virou um perfil privado. 

No consultório do médico, constam na fachada as palavras "medicina esportiva" associadas ao seu nome.

Revolta no meio
A atitude do médico gerou revolta entre outros colegas que possuem a especialidade. Para a endocrinologista Ana Paula Figueiredo Engler Goulart, a atitude de Rogério é comum entre outros médicos.

“Essa conduta dele na nossa visão não é uma boa prática médica. Assim com ele, vários outros médicos se denominam especialistas, e não são. Principalmente em especialidades que de certa maneira vendem alguma coisa sedutora para pessoas. Então muitos profissionais mentem. Eles não passam pelo caminho da formação e se dizem especialistas”, disse a médica.

Ainda de acordo com Ana Paula, os pacientes devem se atentar antes de procurar algum médico especialista, checando formação do profissional em sites dos órgãos responsáveis, escolhendo os devidamente treinados e, desta forma, defender-se melhor de crimes contra a saúde pública.

Liberado 
Depois de ser preso nesta segunda-feira, 9, o médico passou por audiência de custódia na manhã desta terça-feira, 10, e foi solto. Ele responderá pelo crime de falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais. Se condenado, o médico pode pegar até 15 anos de cadeia.

Defesa: "Cursos de especialização"
A defesa do médico informou que ele tem cursos de especialização e que todos os documentos serão incluídos nos autos do processo.

14 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Anonimo
    10/05/2022
    Que absurdo vomos ver o qual vai ser a conduta do CRM??
  • FM
    10/05/2022
    Charlatão de marca maior!
  • JANAINA
    10/05/2022
    O dotor não é endocrinologista, mas os seus pacientes são imbeciologistas com certeza.
  • Simone
    10/05/2022
    Isso é Brasil... O cara é preso em flagrante, cometeu um crime contra a saúde pública. E se alguém morre com essas coisas que ele injeta nos pacientes? Seria só mais um a morrer... E ele, está aí, solto...pq tem dinheiro. Logo estará fazendo aesma coisa, sujando a imagem daqueles que realmente estudam e exerce com dignidade sua formação. Se fosse um pobre fazendo trapaça pra subir na vida, morreria na cadeia.
  • TIAGO MALTA
    10/05/2022
    Esse pilantra com certeza vai mudar de cidade
  • Revoltado
    10/05/2022
    Esse é o Brasil onde o condenado tem ficha limpa, esperar o que minha gente. Até onde se dá conta a medicação citada é de uso controlado e mesmo sendo médico, não possui autorização para revenda, pars isso precisaria de uma drogaria. Estranho é saber que o jeitinho brasileiro o livrou de ser tachado como traficante. Cadê o Cremesp. CRF/SP e Visam? Não tem cabimento simplesmente o assunto simplesmente ser abafado.
  • Elder
    10/05/2022
    Quem vai defender o bandido, vagabundo, safado ??? Vamos lá cadê os amiguinhos da balada?? Vamos defender o criminoso??? Não não ele é “DOTOR”….
  • Marcia
    10/05/2022
    Mas ele atende nas ubs como psiquiatra.
  • Anne Matos
    11/05/2022
    Primeiro , interessante ver o número de HIPÓCRITAS existentes nessa humanidade podre ! Não conhecem a procedência, não conhecem a índole , de onde a pessoa vem , quem é a família , a descendência , não sabem NADA além do que essa mídia podre pública de um ser HUMANO e se julgam cristãos , caridosos , e quando se perdem , um ente querido chega à beira da morte se jogam aos pés do Criador pedindo por misericórdia! O que é isso ? Quem são esses que pedem e esperam tanto de um Deus e são capazes de julgar um filho Dele sem saber absolutamente NADA da pessoa , aliás , se soubesse 1/3 de tudo q foi citado aí , quem são vocês nesse mundo , nessa existência pra JULGAR , DENEGRIR , colocar a saúde mental de uma pessoa no chão , DESTRUIR UMA FAMÍLIA , desejar o mal sem nem a pessoa ainda se defender , apresentar suas provas e versões ? Pelo amor de Deus seres “humanos” tenham um mínimo de Deus , de empatia . A justiça será feita , será que é difícil esperar ??? O tempo que perdem aqui , vão ler uma Bíblia , estudar sobre Deus , ajudar pessoas , deixe cada um pagar pelo seu próprio pecado ! Aliás , vendo a imagem de Cristo ferido naquela cruz , da pra entender um pouco sob a postura de MUITOS aqui . Que Deus tenha misericórdia .
  • Dirceu
    11/05/2022
    Como diz o Tiago Malta... esse vagabundo vai mudar de cidade e continuar sendo \"Endocrinologiata\" e nada vai acontecer, pq o cara tem grana e paga advogado da laia dele que o defende.
  • R
    11/05/2022
    AGORA SÓ PASTEL DE FLANGO
  • Jose Aparecido Gomes
    11/05/2022
    Engraçado que sempre aparece um evangelico pra falar merda. O cara é medico e faz uma sacanagem dessa. O cara tem de pagar pelo que fez. Lembram dos falsos medicos nas ubs e no janjao. O incrivel de tudo isso é que nao vai acontecer nada com ele. a lei existe pra ser burlada, arruma um advogado matreiro que resolve tudo. O cara sai com a ficha limpa da cadeia.
  • Leandro
    11/05/2022
    Bom médico, atualizado, com especializações na area do esporte com profissionais renomados do meio Bodybuilders, atencioso e melhor que muitos médicos por ai que são uns Dinossauros, como muitos \"ENDOCRINOLOGISTAS\" Entitulados por ai.... Muito mimimi, esse GCN é mais uma do \"consorcio\" das midias que fazem matérias tendenciosas para chamar atenção. Ladrões mídia de corrupto, esse é o grande problema do país as grandes midias nacionais e locais na mão de gente lixo !
  • S. Souza
    11/05/2022
    Na notícia há entrevista com médica que critica o suspeito, diz que há muitos médicos que se apresentam com título que não possuem, e que os cidadãos devem pesquisar nos órgãos se o médico realmente tem a especialidade que alega ter. Inadequada essa orientação da médica entrevista. O CRM deve fiscalizar a publicidade dos médicos e abrir sindicância contra os médicos que se apresentam indevidamente. O CRM não pode se omitir de fiscalizar, pois é uma autarquia federal encarregada de atuar nessa área.