RELIGIÃO

RELIGIÃO

Mandamento Novo

Mandamento Novo

Jesus recorda o mandamento antigo colocando uma nova expressão para cumpri-lo. Vejamos a catequese deste dia. Leia o artigo do monsenhor José Geraldo Segantin.

Jesus recorda o mandamento antigo colocando uma nova expressão para cumpri-lo. Vejamos a catequese deste dia. Leia o artigo do monsenhor José Geraldo Segantin.

Por Mons. José Geraldo Segantin | 15/05/2022 | Tempo de leitura: 1 min
especial para o GCN

Por Mons. José Geraldo Segantin
especial para o GCN

15/05/2022 - Tempo de leitura: 1 min

Jesus recorda o mandamento antigo colocando uma nova expressão para cumpri-lo. Vejamos a catequese deste dia.

Primeira Leitura: Atos dos Apóstolos 14.
Paulo e Bernabé estão concluindo a primeira viagem missionária. Atravessaram muitas regiões, anunciaram a Boa Nova em várias cidades e, antes de voltar para a comunidade de Antioquia, pela qual tinham sido enviados e à qual devem prestar contas das próprias atividades, decidem rever as jovens comunidades que tinham surgido nos lugares onde eles tinham pregado a Palavra de Deus. Estas precisam ser confirmadas na fé e orientadas para aprimorarem a própria organização; por isso nomeiam em cada uma delas um grupo de anciãos.

Segunda Leitura: Apocalipse 21.
Esta passagem do Apocalipse nos transmite uma mensagem de alegria e de esperança. Descreve o encerramento da história da humanidade. A Igreja se tornará esplendorosa “como uma esposa ornada para o esposo”; todos os males do mundo desaparecerão: um novo céu e uma nova terra serão criados.

Evangelho: João 13.
Quem é “glorificado” e enaltecido neste mundo?
A esta pergunta respondem, de maneira surpreendente, os primeiros versículos do Evangelho de hoje. Dizem-nos que chegou para Jesus a hora da sua plena glorificação: a da sua morte na cruz.

A passagem continua com a apresentação, por parte de Jesus, do mandamento novo.

A Jesus continua afirmando que o seu mandamento é “novo”. Em que sentido? Já não está escrito no Antigo Testamento: “Ama o próximo como a ti mesmo”? Onde está a novidade, então?

Nova é, com certeza, a segunda parte: “como eu vos tenho amado, assim também amai-vos uns aos outros”. A medida do amor que Jesus nos propõe não é a que nós usamos para nós mesmos, pois não se diz que nós nos amamos. Muitas vezes nós prejudicamos a nós mesmos e aos outros.

Monsenhor José Geraldo Segantin é reitor do Santuário Diocesano de Santo Antônio.

Jesus recorda o mandamento antigo colocando uma nova expressão para cumpri-lo. Vejamos a catequese deste dia.

Primeira Leitura: Atos dos Apóstolos 14.
Paulo e Bernabé estão concluindo a primeira viagem missionária. Atravessaram muitas regiões, anunciaram a Boa Nova em várias cidades e, antes de voltar para a comunidade de Antioquia, pela qual tinham sido enviados e à qual devem prestar contas das próprias atividades, decidem rever as jovens comunidades que tinham surgido nos lugares onde eles tinham pregado a Palavra de Deus. Estas precisam ser confirmadas na fé e orientadas para aprimorarem a própria organização; por isso nomeiam em cada uma delas um grupo de anciãos.

Segunda Leitura: Apocalipse 21.
Esta passagem do Apocalipse nos transmite uma mensagem de alegria e de esperança. Descreve o encerramento da história da humanidade. A Igreja se tornará esplendorosa “como uma esposa ornada para o esposo”; todos os males do mundo desaparecerão: um novo céu e uma nova terra serão criados.

Evangelho: João 13.
Quem é “glorificado” e enaltecido neste mundo?
A esta pergunta respondem, de maneira surpreendente, os primeiros versículos do Evangelho de hoje. Dizem-nos que chegou para Jesus a hora da sua plena glorificação: a da sua morte na cruz.

A passagem continua com a apresentação, por parte de Jesus, do mandamento novo.

A Jesus continua afirmando que o seu mandamento é “novo”. Em que sentido? Já não está escrito no Antigo Testamento: “Ama o próximo como a ti mesmo”? Onde está a novidade, então?

Nova é, com certeza, a segunda parte: “como eu vos tenho amado, assim também amai-vos uns aos outros”. A medida do amor que Jesus nos propõe não é a que nós usamos para nós mesmos, pois não se diz que nós nos amamos. Muitas vezes nós prejudicamos a nós mesmos e aos outros.

Monsenhor José Geraldo Segantin é reitor do Santuário Diocesano de Santo Antônio.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.