RECEITA

RECEITA

Matang

Matang

Matang é um doce comum que os sul-coreanos consomem durante todo o ano. É fácil de preparar, feito com produtos locais encontrados em todo o mundo.

Matang é um doce comum que os sul-coreanos consomem durante todo o ano. É fácil de preparar, feito com produtos locais encontrados em todo o mundo.

Por Sonia Machiavelli | 15/05/2022 | Tempo de leitura: 3 min
especial para o GCN

Por Sonia Machiavelli
especial para o GCN

15/05/2022 - Tempo de leitura: 3 min

Ingredientes

  • 2 batatas-doces grandes
  • 5 colheres (sopa) de açúcar
  • 1 colher (sopa) de mel
  • 2 colheres (sopa) de água do cozimento das batatas
  • Óleo de soja para fritura 

Matang é um doce comum que os sul-coreanos consomem durante todo o ano. É fácil de preparar, feito com produtos locais encontrados em todo o mundo. Agrada ao paladar brasileiro. Tem baixo custo e é bastante nutritivo. Foi criado por monges, que vem exercendo por séculos influência na disseminação da dieta vegetariana, típica do budismo.

A culinária coreana, tanto a do norte quanto a do sul, tem origem nas tradições nômades e agrícolas. Com o decorrer da história, foi incorporando elementos de outras culturas, resultado das transformações políticas e sociais que ocorreram na Província nos últimos séculos.

Embora os pratos típicos variem de acordo com a região, é possível identificar ingredientes básicos, comuns em várias receitas, tais como o onipresente arroz, o tofu, a carne e o macarrão. Temperos são imprescindíveis:  óleo de gergelim, alho, molho de soja, gengibre, pimenta, repolho, doenjang (pasta de feijão) e gochujang (pasta de pimentão). Com relação à carne, há a preferência pela bovina.

Contam historiadores que quando chegou ao território que conhecemos hoje como Coreia, dividida em duas ao final de Segunda Guerra, o arroz era utilizado como forma de pagamento de impostos. Muito tempo depois tornou-se alimento básico do povo.

A soja, por sua vez, já era cultivada na região há mais de dois milênios. Hoje é consumida em subprodutos como queijo, leite, óleo e molho. E a pimenta, que se tornou um dos principais condimentos na culinária do Sul, foi introduzida após o século XVI.

O cardápio coreano é longo, mas cinco pratos são básicos: kimchi, bulgogi, teokbokki, gimbap, dol sot bi bim bap. O primeiro, consumido em todas as refeições, é feito com acelga condimentada e fermentada; o segundo é à base de carne cortada em pedaços finos, marinada em molho picante e depois grelhada em alta temperatura; o terceiro, uma sopa de bolinhos de arroz de forma cilíndrica; o quarto, um parente próximo do sushi japonês; o quinto é um risoto de carne moída e legumes.

Dos doces, são bastante conhecidos o baesuk, peras apimentadas num molho de gengibre e mel; o hotteok, parecido com a nossa panqueca, recheado com mel, canela, açúcar, amendoim ou frutas secas. E o matang, que pode ser feito em menos de meia hora.

Basta descascar as batatas, cortá-las em cubos (ou meias-luas) e cozinhá-las até que fiquem macias. O segundo passo é escorrê-las, reservando duas colheres (sopa) da água para o caramelo. Frite os pedaços bem escorridos em óleo quente até que dourem. Retire e coloque sobre papel-toalha.

Em seguida, basta colocar o açúcar numa panela e deixar que derreta até atingir uma cor dourada. Junta-se a água e o mel e deixa-se ferver por alguns minutos até que vire uma calda bem grossa. Colocam-se dentro as batatas fritas e bem sequinhas e mexe-se com delicadeza. Retire para um prato de servir e deixe esfriar. Elas ficarão crocantes por fora e macias por dentro. Vale a pena experimentar.

Estes são apenas alguns pratos tradicionais da Coreia. Como vimos, a culinária coreana possui grande variedade e riqueza de sabores. Há muitos outros pratos que não foram listados aqui, mas que valem muito a pena conhecer. Conte para gente o que você mais achou interessante ou quem sabe uma curiosidade que não falamos aqui.

Ingredientes

  • 2 batatas-doces grandes
  • 5 colheres (sopa) de açúcar
  • 1 colher (sopa) de mel
  • 2 colheres (sopa) de água do cozimento das batatas
  • Óleo de soja para fritura 

Matang é um doce comum que os sul-coreanos consomem durante todo o ano. É fácil de preparar, feito com produtos locais encontrados em todo o mundo. Agrada ao paladar brasileiro. Tem baixo custo e é bastante nutritivo. Foi criado por monges, que vem exercendo por séculos influência na disseminação da dieta vegetariana, típica do budismo.

A culinária coreana, tanto a do norte quanto a do sul, tem origem nas tradições nômades e agrícolas. Com o decorrer da história, foi incorporando elementos de outras culturas, resultado das transformações políticas e sociais que ocorreram na Província nos últimos séculos.

Embora os pratos típicos variem de acordo com a região, é possível identificar ingredientes básicos, comuns em várias receitas, tais como o onipresente arroz, o tofu, a carne e o macarrão. Temperos são imprescindíveis:  óleo de gergelim, alho, molho de soja, gengibre, pimenta, repolho, doenjang (pasta de feijão) e gochujang (pasta de pimentão). Com relação à carne, há a preferência pela bovina.

Contam historiadores que quando chegou ao território que conhecemos hoje como Coreia, dividida em duas ao final de Segunda Guerra, o arroz era utilizado como forma de pagamento de impostos. Muito tempo depois tornou-se alimento básico do povo.

A soja, por sua vez, já era cultivada na região há mais de dois milênios. Hoje é consumida em subprodutos como queijo, leite, óleo e molho. E a pimenta, que se tornou um dos principais condimentos na culinária do Sul, foi introduzida após o século XVI.

O cardápio coreano é longo, mas cinco pratos são básicos: kimchi, bulgogi, teokbokki, gimbap, dol sot bi bim bap. O primeiro, consumido em todas as refeições, é feito com acelga condimentada e fermentada; o segundo é à base de carne cortada em pedaços finos, marinada em molho picante e depois grelhada em alta temperatura; o terceiro, uma sopa de bolinhos de arroz de forma cilíndrica; o quarto, um parente próximo do sushi japonês; o quinto é um risoto de carne moída e legumes.

Dos doces, são bastante conhecidos o baesuk, peras apimentadas num molho de gengibre e mel; o hotteok, parecido com a nossa panqueca, recheado com mel, canela, açúcar, amendoim ou frutas secas. E o matang, que pode ser feito em menos de meia hora.

Basta descascar as batatas, cortá-las em cubos (ou meias-luas) e cozinhá-las até que fiquem macias. O segundo passo é escorrê-las, reservando duas colheres (sopa) da água para o caramelo. Frite os pedaços bem escorridos em óleo quente até que dourem. Retire e coloque sobre papel-toalha.

Em seguida, basta colocar o açúcar numa panela e deixar que derreta até atingir uma cor dourada. Junta-se a água e o mel e deixa-se ferver por alguns minutos até que vire uma calda bem grossa. Colocam-se dentro as batatas fritas e bem sequinhas e mexe-se com delicadeza. Retire para um prato de servir e deixe esfriar. Elas ficarão crocantes por fora e macias por dentro. Vale a pena experimentar.

Estes são apenas alguns pratos tradicionais da Coreia. Como vimos, a culinária coreana possui grande variedade e riqueza de sabores. Há muitos outros pratos que não foram listados aqui, mas que valem muito a pena conhecer. Conte para gente o que você mais achou interessante ou quem sabe uma curiosidade que não falamos aqui.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.