INFLAÇÃO

INFLAÇÃO

Diesel atinge novo recorde e preço médio já passa de R$ 7 em 12 estados

Diesel atinge novo recorde e preço médio já passa de R$ 7 em 12 estados

O valor médio é 2,9% superior ao recorde atingido na semana de 19 de março, logo após mega-aumentos promovidos pela Petrobras, e 44% superior ao período da greve dos caminhoneiros.

O valor médio é 2,9% superior ao recorde atingido na semana de 19 de março, logo após mega-aumentos promovidos pela Petrobras, e 44% superior ao período da greve dos caminhoneiros.

Por Nicola Pamplona | 13/05/2022 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Por Nicola Pamplona
da Folhapress

13/05/2022 - Tempo de leitura: 2 min

Reuters/Diego Vara/via Agência Brasil

Em 12 estados, o preço médio do combustível já passa de R$ 7 por litro; a média estadual mais alta foi verificada no Acre: R$ 8,067 por litro

Com o repasse do último reajuste nas refinarias da Petrobras, o preço do diesel nos postos brasileiros subiu 3,2% esta semana e atingiu novo recorde desde o início da pesquisa semanal de preços da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), em 2004.

O preço médio do combustível chegou a R$ 6,847 por litro. O valor é 2,9% superior ao recorde atingido na semana de 19 de março, logo após os mega-aumentos promovidos pela Petrobras, e 44% superior ao pior período da greve dos caminhoneiros de 2018.

A pesquisa da ANP encontrou o litro de diesel a até R$ 8,300, em Cruzeiro do Sul (AC). O preço máximo detectado pela agência esta semana, porém, é 1,1% inferior ao verificado na semana anterior, em Porto Seguro (BA).

Em 12 estados, o preço médio do combustível já passa de R$ 7 por litro. A média estadual mais alta foi verificada no Acre: R$ 8,067 por litro.

O reajuste no preço do diesel anunciado pela Petrobras na segunda-feira, 9, provocou a demissão do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que foi substituído por Adolfo Sachsida, que assessorava o ministro da Economia, Paulo Guedes.

A empresa alegou que precisava acompanhar a evolução das cotações internacionais do produto, que já tinha defasagens superiores às verificadas antes do mega-aumento de março. O aumento, de 8,87%, porém, não foi suficiente para zerar a diferença.

Segundo dados da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), a defasagem entre o preço médio do diesel nas refinarias brasileiras e a paridade de importação está hoje em R$ 0,57 por litro.

A diferença é ainda maior no preço da gasolina, que teve o último reajuste há mais de dois meses: R$ 1,07. O mercado, porém, avalia que a Petrobras deve suportar perdas por mais tempo, diante da pressão do governo contra reajustes.

Logo em sua posse, o novo ministro de Minas e Energia prometeu estudos para privatizar a estatal. No dia seguinte, o governo entrou com ação no STF (Supremo Tribunal Federal) para tentar forçar os estados a baixar o ICMS sobre o diesel.

Nas bombas, o preço da gasolina ficou estável esta semana, em R$ 7,298 por litro, apesar da queda da cotação do etanol anidro, que representa 27% da mistura vendida nos postos. Em duas semanas, o produto recuou 7,7% nas usinas de São Paulo.

O etanol hidratado vem caindo com mais intensidade nas usinas: em duas semanas, acumula recuo de 13,7%. Nas bombas, o preço médio do combustível caiu 2,1% esta semana, para R$ 5,323 por litro.

Segundo a ANP, o preço do botijão de gás de 13 quilos permaneceu estável novamente, em R$ 112,93.

Com o repasse do último reajuste nas refinarias da Petrobras, o preço do diesel nos postos brasileiros subiu 3,2% esta semana e atingiu novo recorde desde o início da pesquisa semanal de preços da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), em 2004.

O preço médio do combustível chegou a R$ 6,847 por litro. O valor é 2,9% superior ao recorde atingido na semana de 19 de março, logo após os mega-aumentos promovidos pela Petrobras, e 44% superior ao pior período da greve dos caminhoneiros de 2018.

A pesquisa da ANP encontrou o litro de diesel a até R$ 8,300, em Cruzeiro do Sul (AC). O preço máximo detectado pela agência esta semana, porém, é 1,1% inferior ao verificado na semana anterior, em Porto Seguro (BA).

Em 12 estados, o preço médio do combustível já passa de R$ 7 por litro. A média estadual mais alta foi verificada no Acre: R$ 8,067 por litro.

O reajuste no preço do diesel anunciado pela Petrobras na segunda-feira, 9, provocou a demissão do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que foi substituído por Adolfo Sachsida, que assessorava o ministro da Economia, Paulo Guedes.

A empresa alegou que precisava acompanhar a evolução das cotações internacionais do produto, que já tinha defasagens superiores às verificadas antes do mega-aumento de março. O aumento, de 8,87%, porém, não foi suficiente para zerar a diferença.

Segundo dados da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), a defasagem entre o preço médio do diesel nas refinarias brasileiras e a paridade de importação está hoje em R$ 0,57 por litro.

A diferença é ainda maior no preço da gasolina, que teve o último reajuste há mais de dois meses: R$ 1,07. O mercado, porém, avalia que a Petrobras deve suportar perdas por mais tempo, diante da pressão do governo contra reajustes.

Logo em sua posse, o novo ministro de Minas e Energia prometeu estudos para privatizar a estatal. No dia seguinte, o governo entrou com ação no STF (Supremo Tribunal Federal) para tentar forçar os estados a baixar o ICMS sobre o diesel.

Nas bombas, o preço da gasolina ficou estável esta semana, em R$ 7,298 por litro, apesar da queda da cotação do etanol anidro, que representa 27% da mistura vendida nos postos. Em duas semanas, o produto recuou 7,7% nas usinas de São Paulo.

O etanol hidratado vem caindo com mais intensidade nas usinas: em duas semanas, acumula recuo de 13,7%. Nas bombas, o preço médio do combustível caiu 2,1% esta semana, para R$ 5,323 por litro.

Segundo a ANP, o preço do botijão de gás de 13 quilos permaneceu estável novamente, em R$ 112,93.

2 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Darsio
    5 dias atrás
    Ei, psiu! Devoto de GENOCIDA. Faz arminha, faz!
  • Darsio
    5 dias atrás
    Béééééééééééééé´... Muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu...