REAÇÃO

REAÇÃO

Irmã de Rafael Miguel fala de 'baque' da prisão do suspeito

Irmã de Rafael Miguel fala de 'baque' da prisão do suspeito

Camilla afirmou que foram anos de muita frustração por não saberem o que estava acontecendo no processo.

Camilla afirmou que foram anos de muita frustração por não saberem o que estava acontecendo no processo.

Por | 17/05/2022 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Por
da Folhapress

17/05/2022 - Tempo de leitura: 2 min

Reprodução

A irmã mais velha de Rafael Miguel, Camilla, esteve ao vivo no programa Encontro com Fátima Bernardes (Globo) nesta terça-feira

A irmã mais velha de Rafael Miguel, Camilla, esteve ao vivo no programa Encontro com Fátima Bernardes (Globo) nesta terça-feira (17). Ela comentou sobre a prisão do comerciante Paulo Cupertino Matias, suspeito de assassinar o ator de "Chiquititas" e os pais dele, em 2019.

"Confesso, por mais que não seja o que as pessoas esperam, eu não senti muita coisa, ainda não consegui processar tudo. Estamos em um sentimento que talvez uma justiça seja feita, por mais que ainda não tenhamos um desfecho", disse ela sobre a prisão do pai de Isabela Tibcherani, namorada de Rafael Miguel, que estava foragido há três anos.

Camilla afirmou que foram anos de muita frustração por não saberem o que estava acontecendo no processo. "Mas continuamos presos no processo de seguir em frente. A gente já teve a família destruída. Nos esforçamos o máximo para reconquistar nossa paz, segurança e felicidade", disse ela. "Que o luto e a perda não nos defina e não nos destrua ainda mais."

A irmã do ator relembrou que ela e sua família não tinham muito contato com a família de Isabela, mas que o ator relatava que o comerciante era agressivo. "Não era uma coisa muito alarmante, mas eventualmente havia conversas em que ele expunha como ele era agressivo, dava medo, como queria se mudar com ela, mas tinha medo."

Ela conta que as famílias nunca chegaram a se encontrar, mas que sua mãe chegou a mandar mensagens "falando que somos uma família boa, aqui para ajudar... Ela não teve resposta. Aquela era a primeira tentativa presencial [o dia do crime]".

A família foi morta a tiros em junho de 2019 enquanto chegava à casa de Isabela, no bairro Pedreira, na zona sul da capital paulista. Cupertino estava escondido em hotel na mesma região onde cometeu o crime e foi localizado pelos investigadores da Polícia Civil após uma denúncia anônima.

Camilla diz que para o futuro irá se apegar ao sentimento de "seguir em frente". "Tenho filhos pequenos e quero proporcionar para eles uma qualidade de vida, com uma mãe saudável e pais felizes. Quero proporcionar experiências, porque eles já perderam com os avós maternos e com o tio. É toda uma reconstrução de vida", completou.

A irmã mais velha de Rafael Miguel, Camilla, esteve ao vivo no programa Encontro com Fátima Bernardes (Globo) nesta terça-feira (17). Ela comentou sobre a prisão do comerciante Paulo Cupertino Matias, suspeito de assassinar o ator de "Chiquititas" e os pais dele, em 2019.

"Confesso, por mais que não seja o que as pessoas esperam, eu não senti muita coisa, ainda não consegui processar tudo. Estamos em um sentimento que talvez uma justiça seja feita, por mais que ainda não tenhamos um desfecho", disse ela sobre a prisão do pai de Isabela Tibcherani, namorada de Rafael Miguel, que estava foragido há três anos.

Camilla afirmou que foram anos de muita frustração por não saberem o que estava acontecendo no processo. "Mas continuamos presos no processo de seguir em frente. A gente já teve a família destruída. Nos esforçamos o máximo para reconquistar nossa paz, segurança e felicidade", disse ela. "Que o luto e a perda não nos defina e não nos destrua ainda mais."

A irmã do ator relembrou que ela e sua família não tinham muito contato com a família de Isabela, mas que o ator relatava que o comerciante era agressivo. "Não era uma coisa muito alarmante, mas eventualmente havia conversas em que ele expunha como ele era agressivo, dava medo, como queria se mudar com ela, mas tinha medo."

Ela conta que as famílias nunca chegaram a se encontrar, mas que sua mãe chegou a mandar mensagens "falando que somos uma família boa, aqui para ajudar... Ela não teve resposta. Aquela era a primeira tentativa presencial [o dia do crime]".

A família foi morta a tiros em junho de 2019 enquanto chegava à casa de Isabela, no bairro Pedreira, na zona sul da capital paulista. Cupertino estava escondido em hotel na mesma região onde cometeu o crime e foi localizado pelos investigadores da Polícia Civil após uma denúncia anônima.

Camilla diz que para o futuro irá se apegar ao sentimento de "seguir em frente". "Tenho filhos pequenos e quero proporcionar para eles uma qualidade de vida, com uma mãe saudável e pais felizes. Quero proporcionar experiências, porque eles já perderam com os avós maternos e com o tio. É toda uma reconstrução de vida", completou.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.