ALÍVIO

ALÍVIO

Tempo gelado pode dar trégua a surto de dengue em Franca, mas cuidados devem continuar

Tempo gelado pode dar trégua a surto de dengue em Franca, mas cuidados devem continuar

Com o frio, muitas larvas do mosquito transmissor da doença não se desenvolvem; alerta para criadouros dentro de imóveis continua.

Com o frio, muitas larvas do mosquito transmissor da doença não se desenvolvem; alerta para criadouros dentro de imóveis continua.

Por Heloísa Taveira | 19/05/2022 | Tempo de leitura: 1 min
da Redação

Por Heloísa Taveira
da Redação

19/05/2022 - Tempo de leitura: 1 min

Divulgação/Prefeitura de Franca

Mesmo com a ajuda do frio, atenção aos criadouros deve continuar

As temperaturas mínimas desta semana podem ajudar em um grande problema que a cidade vem enfrentando: o surto de dengue. O frio atinge diretamente o desenvolvimento das larvas dos mosquitos transmissores da doença e pode até matá-las.

“Com a chegada do frio, diminui as chuvas, o que diminui também a oferta de criadouros para o mosquito da dengue e também influencia no desenvolvimento das larvas. Porém, se esses criadouros estiverem em ambientes fechados, dentro dos imóveis, o mosquito se desenvolve naturalmente”, falou Caio Carvalho, diretor da Vigilância em Saúde.

Com cerca de quatro mil casos de dengue desde o início do ano e sete mortes confirmadas em menos de dois meses, a população não deve relaxar só por conta do tempo. Segundo Caio, o frio ajuda na diminuição dos mosquitos, mas não é possível afirmar que neste período a dengue não se desenvolve.

Desta forma, ainda é necessário que os cuidados continuem, principalmente dentro das casas. A Prefeitura segue com ações de combate aos criadouros e com o veículo dedetizador pelas ruas, o chamado “fumacê”.

As temperaturas mínimas desta semana podem ajudar em um grande problema que a cidade vem enfrentando: o surto de dengue. O frio atinge diretamente o desenvolvimento das larvas dos mosquitos transmissores da doença e pode até matá-las.

“Com a chegada do frio, diminui as chuvas, o que diminui também a oferta de criadouros para o mosquito da dengue e também influencia no desenvolvimento das larvas. Porém, se esses criadouros estiverem em ambientes fechados, dentro dos imóveis, o mosquito se desenvolve naturalmente”, falou Caio Carvalho, diretor da Vigilância em Saúde.

Com cerca de quatro mil casos de dengue desde o início do ano e sete mortes confirmadas em menos de dois meses, a população não deve relaxar só por conta do tempo. Segundo Caio, o frio ajuda na diminuição dos mosquitos, mas não é possível afirmar que neste período a dengue não se desenvolve.

Desta forma, ainda é necessário que os cuidados continuem, principalmente dentro das casas. A Prefeitura segue com ações de combate aos criadouros e com o veículo dedetizador pelas ruas, o chamado “fumacê”.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.