ELEIÇÕES

ELEIÇÕES

MDB e PSDB apontam alta rejeição de Doria e encaminham anúncio de apoio a Tebet

MDB e PSDB apontam alta rejeição de Doria e encaminham anúncio de apoio a Tebet

Aliados de Doria rebatem e alegam que ele pontua à frente da emedebista em intenções de votos; e que, portanto, não é possível concluir que Tebet é a melhor alternativa.

Aliados de Doria rebatem e alegam que ele pontua à frente da emedebista em intenções de votos; e que, portanto, não é possível concluir que Tebet é a melhor alternativa.

Por Julia Chaib e Carolina Linhares | 18/05/2022 | Tempo de leitura: 6 min
da Folhapress

Por Julia Chaib e Carolina Linhares
da Folhapress

18/05/2022 - Tempo de leitura: 6 min

Reprodução/Instagram

Os presidentes de MDB, PSDB e Cidadania deliberaram levar às direções de cada sigla o nome de Simone Tebet para ser escolhida a candidata dos três partidos.

Os presidentes de MDB, PSDB e Cidadania deliberaram nesta quarta-feira, 18, levar às direções de cada sigla o nome da senadora Simone Tebet (MDB-MS) para ser escolhida a candidata única dos três partidos.

A decisão ocorreu após análise dos resultados de uma pesquisa encomendada pelas siglas que, segundo interlocutores, apontou alta rejeição do ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB).

O levantamento também indica, de acordo com quem teve acesso aos resultados, que Tebet seria o nome com maior possibilidade de crescimento. A realização da sondagem foi a estratégia que tucanos lançaram para tentar isolar Doria e suspender sua candidatura ao Palácio do Planalto.

Aliados de Doria rebatem e alegam que ele pontua à frente da emedebista em intenções de votos; e que, portanto, não é possível concluir que Tebet é a melhor alternativa.

Sem confirmar que a senadora Tebet foi o nome escolhido após a análise do levantamento, os presidentes de MDB, PSDB e Cidadania afirmaram terem chegado a um consenso, que será levado para referendo das executivas e bancadas partidárias em reuniões na próxima terça, 24.

Os detalhes da pesquisa realizada não foram oficialmente divulgados.

A conclusão geral, de acordo com interlocutores, foi que Tebet é menos conhecida e tem mais potencial de crescimento em campanha.

Até agora, nenhum dos dois decolou nas pesquisas e acompanham à distância a liderança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do presidente Jair Bolsonaro (PL). No último levantamento da Quaest, Doria tem 3% contra 1% de Tebet.

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, o PSDB tem aumentado a pressão para que Doria desista da sua candidatura. Depois de uma reunião da executiva do partido na terça, 17, ficou acertado que líderes da sigla levarão ao ex-governador o diagnóstico da sua inviabilidade eleitoral. E há expectativa de parte do PSDB de que ele desista da corrida eleitoral, algo que seus aliados negam.

Segundo o entorno de Doria, o ex-governador deve pedir na reunião mais tempo ao partido para colocar a campanha na rua e provar sua viabilidade. Dessa forma, o ex-governador trabalha para que a escolha da terceira via seja deixada para o período mais próximo das convenções, entre julho e agosto.

O encontro deve ocorrer na segunda-feira, 23, em São Paulo, antes da reunião dos partidos marcada para terça, que pode chancelar o apoio a Tebet. Aliados do ex-governador não veem possibilidade de que ele apoie Tebet com base na pesquisa.

O ex-governador afirmou, pelo Twitter, que "o momento é de diálogo". "O projeto de construção política deve priorizar o Brasil e o povo brasileiro", publicou.

"Parabéns. Essa é a atitude de um líder que tem compromisso com o seu país", respondeu na rede o presidente do PSDB, Bruno Araújo.

Numa carta enviada no sábado, 14, a Araújo, Doria sinalizou que pode recorrer à Justiça para garantir sua candidatura, uma vez que ele venceu as prévias do partido organizadas no ano passado.

A estratégia de judicialização, no entanto, perdeu força. Doria foi aconselhado a não forçar o embate com o partido nos tribunais.

Nesta quarta-feira, o governador Rodrigo Garcia (PSDB-SP), apesar de aliado de Doria, defendeu o acordo com a terceira via para que se apresente um nome "com chances reais de ser uma alternativa" e criticou a judicialização.

"Sempre defendo o entendimento pela política. Quando precisa ir ao judiciário, não é mais política", disse.

"Tenho certeza de que vamos encontrar um bom caminho, com o PSDB ao lado do Cidadania e MDB, que hoje compõem essa frente democrática, de que nós tenhamos, sim, uma alternativa pra apresentar ao Brasil."

"A alternativa que o PSDB apresenta é o governador João Dória, isso é incontestável. O que existe é uma discussão se, dentro de critérios a serem apresentados hoje junto ao MDB, nós tenhamos também a possibilidade de avaliação de uma candidatura da senadora Simone Tebet", completou.

Interlocutores de Doria dizem ainda que não há um plano B para ele, apenas a candidatura ao Planalto, e que a judicialização seria o último caminho.

Num recuo, auxiliares do ex-governador dizem que a intenção da carta foi abrir um diálogo e não de ameaçar recorrer aos tribunais.

"A carta foi um equívoco. Não tem um fato para ser judicializado", afirma o tesoureiro César Gontijo, aliado de Doria. "Nada e ninguém pode tirara a condição de Doria de ser candidato, a não ser ele desistir, algo que não está no dicionário dele."

"Doria vai buscar entendimentos, está aberto a qualquer conversa. Mas ficou claro [na terça]: pra ele sair, depende dele. Qualquer coisa tem que ser discutida com ele. O que o partido não pode é não ter candidato, o PSDB sempre apresentou proposta para o Brasil em seus 34 anos", completa.

A estratégia de Doria é ganhar tempo e os tucanos que o apoiam esperam que o partido atenda a esse pedido e deixe a discussão da coligação para os próximos meses.

"Se o partido der a oportunidade de ele falar com a sociedade em vez de ficar internamente debatendo uma situação que já foi resolvida nas prévias, se o partido der esse alívio, quem sabe ele possa fazer campanha. O partido tem que dar uma trégua", afirma Gontijo.

Integrantes da equipe de pré-campanha de Doria avaliam ainda que o PSDB não tem argumentos contra sua candidatura, já que judicialmente ele está respaldado pelas prévias e, em termos de pesquisa, apareceu novamente à frente de Tebet em levantamento da Quaest feito a pedido da CNN e divulgado nesta quarta.

Os tucanos pró-Doria dizem ainda que não rejeitam um acordo com o MDB, mas preveem que cada partido lance seu candidato, já que um não aceitaria ser vice do outro. Usar a pesquisa como critério, apontam, seria frágil.

A leitura é a de que Doria só desistiria se houvesse um outro nome da terceira via muito à frente nas pesquisas, o que não é o caso. Não há fato, na visão deles, que justifique abandonar a corrida, principalmente considerando que Doria também começou de baixo e venceu os dois últimos pleitos.

Os dados do levantamento encomendado pelos partidos para nortear a escolha do candidato único foram coletados no final de semana.

O Instituto Guimarães ouviu 2.000 pessoas em 23 estados. Segundo pessoas que acompanham o processo, o levantamento tem informações como intenção de voto, rejeição dos nomes e também avaliação sobre 30 atributos.

Das qualidades aferidas, algumas foram sugeridas pelos marqueteiros de ambos os pré-candidatos do MDB e do PSDB.

A sondagem não foi registrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), por isso os dirigentes partidários não divulgaram publicamente seus dados. Disseram apenas que ela aponta que a maioria da população rejeita a polarização existente entre Bolsonaro e Lula.

"Hoje, nós tivemos uma reunião ampliada com líderes importantes do Cidadania, com líderes do PSDB e do MDB para que a gente pudesse, em conjunto, buscar essa unidade. Na próxima terça, cada um dos partidos vai se reunir para que a gente ofereça ao país uma alternativa a essa polarização que não está melhorando a vida dos brasileiros", afirmou o presidente do MDB, Baleia Rossi.

"Chegamos a um consenso e vamos na terça colocar isso às direções partidárias", disse o presidente do Cidadania, Roberto Freire.

"A garantia precisa ser ratificada pela autoridade política das comissões executivas e bancadas", disse o presidente do PSDB.

Os presidentes de MDB, PSDB e Cidadania deliberaram nesta quarta-feira, 18, levar às direções de cada sigla o nome da senadora Simone Tebet (MDB-MS) para ser escolhida a candidata única dos três partidos.

A decisão ocorreu após análise dos resultados de uma pesquisa encomendada pelas siglas que, segundo interlocutores, apontou alta rejeição do ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB).

O levantamento também indica, de acordo com quem teve acesso aos resultados, que Tebet seria o nome com maior possibilidade de crescimento. A realização da sondagem foi a estratégia que tucanos lançaram para tentar isolar Doria e suspender sua candidatura ao Palácio do Planalto.

Aliados de Doria rebatem e alegam que ele pontua à frente da emedebista em intenções de votos; e que, portanto, não é possível concluir que Tebet é a melhor alternativa.

Sem confirmar que a senadora Tebet foi o nome escolhido após a análise do levantamento, os presidentes de MDB, PSDB e Cidadania afirmaram terem chegado a um consenso, que será levado para referendo das executivas e bancadas partidárias em reuniões na próxima terça, 24.

Os detalhes da pesquisa realizada não foram oficialmente divulgados.

A conclusão geral, de acordo com interlocutores, foi que Tebet é menos conhecida e tem mais potencial de crescimento em campanha.

Até agora, nenhum dos dois decolou nas pesquisas e acompanham à distância a liderança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do presidente Jair Bolsonaro (PL). No último levantamento da Quaest, Doria tem 3% contra 1% de Tebet.

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, o PSDB tem aumentado a pressão para que Doria desista da sua candidatura. Depois de uma reunião da executiva do partido na terça, 17, ficou acertado que líderes da sigla levarão ao ex-governador o diagnóstico da sua inviabilidade eleitoral. E há expectativa de parte do PSDB de que ele desista da corrida eleitoral, algo que seus aliados negam.

Segundo o entorno de Doria, o ex-governador deve pedir na reunião mais tempo ao partido para colocar a campanha na rua e provar sua viabilidade. Dessa forma, o ex-governador trabalha para que a escolha da terceira via seja deixada para o período mais próximo das convenções, entre julho e agosto.

O encontro deve ocorrer na segunda-feira, 23, em São Paulo, antes da reunião dos partidos marcada para terça, que pode chancelar o apoio a Tebet. Aliados do ex-governador não veem possibilidade de que ele apoie Tebet com base na pesquisa.

O ex-governador afirmou, pelo Twitter, que "o momento é de diálogo". "O projeto de construção política deve priorizar o Brasil e o povo brasileiro", publicou.

"Parabéns. Essa é a atitude de um líder que tem compromisso com o seu país", respondeu na rede o presidente do PSDB, Bruno Araújo.

Numa carta enviada no sábado, 14, a Araújo, Doria sinalizou que pode recorrer à Justiça para garantir sua candidatura, uma vez que ele venceu as prévias do partido organizadas no ano passado.

A estratégia de judicialização, no entanto, perdeu força. Doria foi aconselhado a não forçar o embate com o partido nos tribunais.

Nesta quarta-feira, o governador Rodrigo Garcia (PSDB-SP), apesar de aliado de Doria, defendeu o acordo com a terceira via para que se apresente um nome "com chances reais de ser uma alternativa" e criticou a judicialização.

"Sempre defendo o entendimento pela política. Quando precisa ir ao judiciário, não é mais política", disse.

"Tenho certeza de que vamos encontrar um bom caminho, com o PSDB ao lado do Cidadania e MDB, que hoje compõem essa frente democrática, de que nós tenhamos, sim, uma alternativa pra apresentar ao Brasil."

"A alternativa que o PSDB apresenta é o governador João Dória, isso é incontestável. O que existe é uma discussão se, dentro de critérios a serem apresentados hoje junto ao MDB, nós tenhamos também a possibilidade de avaliação de uma candidatura da senadora Simone Tebet", completou.

Interlocutores de Doria dizem ainda que não há um plano B para ele, apenas a candidatura ao Planalto, e que a judicialização seria o último caminho.

Num recuo, auxiliares do ex-governador dizem que a intenção da carta foi abrir um diálogo e não de ameaçar recorrer aos tribunais.

"A carta foi um equívoco. Não tem um fato para ser judicializado", afirma o tesoureiro César Gontijo, aliado de Doria. "Nada e ninguém pode tirara a condição de Doria de ser candidato, a não ser ele desistir, algo que não está no dicionário dele."

"Doria vai buscar entendimentos, está aberto a qualquer conversa. Mas ficou claro [na terça]: pra ele sair, depende dele. Qualquer coisa tem que ser discutida com ele. O que o partido não pode é não ter candidato, o PSDB sempre apresentou proposta para o Brasil em seus 34 anos", completa.

A estratégia de Doria é ganhar tempo e os tucanos que o apoiam esperam que o partido atenda a esse pedido e deixe a discussão da coligação para os próximos meses.

"Se o partido der a oportunidade de ele falar com a sociedade em vez de ficar internamente debatendo uma situação que já foi resolvida nas prévias, se o partido der esse alívio, quem sabe ele possa fazer campanha. O partido tem que dar uma trégua", afirma Gontijo.

Integrantes da equipe de pré-campanha de Doria avaliam ainda que o PSDB não tem argumentos contra sua candidatura, já que judicialmente ele está respaldado pelas prévias e, em termos de pesquisa, apareceu novamente à frente de Tebet em levantamento da Quaest feito a pedido da CNN e divulgado nesta quarta.

Os tucanos pró-Doria dizem ainda que não rejeitam um acordo com o MDB, mas preveem que cada partido lance seu candidato, já que um não aceitaria ser vice do outro. Usar a pesquisa como critério, apontam, seria frágil.

A leitura é a de que Doria só desistiria se houvesse um outro nome da terceira via muito à frente nas pesquisas, o que não é o caso. Não há fato, na visão deles, que justifique abandonar a corrida, principalmente considerando que Doria também começou de baixo e venceu os dois últimos pleitos.

Os dados do levantamento encomendado pelos partidos para nortear a escolha do candidato único foram coletados no final de semana.

O Instituto Guimarães ouviu 2.000 pessoas em 23 estados. Segundo pessoas que acompanham o processo, o levantamento tem informações como intenção de voto, rejeição dos nomes e também avaliação sobre 30 atributos.

Das qualidades aferidas, algumas foram sugeridas pelos marqueteiros de ambos os pré-candidatos do MDB e do PSDB.

A sondagem não foi registrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), por isso os dirigentes partidários não divulgaram publicamente seus dados. Disseram apenas que ela aponta que a maioria da população rejeita a polarização existente entre Bolsonaro e Lula.

"Hoje, nós tivemos uma reunião ampliada com líderes importantes do Cidadania, com líderes do PSDB e do MDB para que a gente pudesse, em conjunto, buscar essa unidade. Na próxima terça, cada um dos partidos vai se reunir para que a gente ofereça ao país uma alternativa a essa polarização que não está melhorando a vida dos brasileiros", afirmou o presidente do MDB, Baleia Rossi.

"Chegamos a um consenso e vamos na terça colocar isso às direções partidárias", disse o presidente do Cidadania, Roberto Freire.

"A garantia precisa ser ratificada pela autoridade política das comissões executivas e bancadas", disse o presidente do PSDB.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.