JULGAMENTO

JULGAMENTO

8 anos depois, motorista que atropelou e matou duas mulheres vai a júri

8 anos depois, motorista que atropelou e matou duas mulheres vai a júri

Luís Fernando Barbosa da Silva atropelou Aparecida das Graças Ribeiro e Roselaine Henrique Rafael, na av. São Vicente. Ele é acusado de ingerir bebida alcoólica antes do acidente.

Luís Fernando Barbosa da Silva atropelou Aparecida das Graças Ribeiro e Roselaine Henrique Rafael, na av. São Vicente. Ele é acusado de ingerir bebida alcoólica antes do acidente.

Por Kaique Castro | 19/05/2022 | Tempo de leitura: 2 min
da Redação

Por Kaique Castro
da Redação

19/05/2022 - Tempo de leitura: 2 min

Kaique Castro/GCN

Familiares fizeram camisas pedindo justiça pela morte das duas mulheres que caminhavam na avenida São Vicente

O julgamento de Luís Fernando Barbosa da Silva acusado de dirigir alcoolizado e atropelar Aparecida das Graças Ribeiro, 62, e a coladeira de peças Roselaine Henrique Rafael, 34, acontece nesta quinta-feira, 19, na Vara do Júri, no Fórum de Franca.

Luís Fernando responde por dois homicídios e duas tentativas de homicídio.

O julgamento começou por volta das 9h e, em seu testemunho, o motorista pediu perdão para familiares das duas mulheres. O acidente aconteceu em julho de 2014 mas, só agora, depois de oito anos, o julgamento acontece.

"Esperamos agora a justiça do homem. Hoje estamos aqui pra isso!", disse a sobrinha de Roselaine, Camila Renato.

O julgamento prossegue por esta quinta-feira.

O acidente
O atropelamento que resultou na morte das duas mulheres aconteceu na manhã de um domingo, na avenida São Vicente.

Luís Fernando conduzia um Volkswagen Gol, quando perdeu o controle do veículo na altura do Clube dos Servidores Municipais e atingiu as vítimas, por volta das 7h30. Garrafas de bebida foram encontradas no interior do carro.

Segundo a Polícia Militar, o Gol teria perdido o controle ao subir a avenida e capotou, invadindo a calçada. No veículo, havia dois homens e uma mulher.

Os passageiros chegaram a ser arremessados para fora do carro no momento do acidente. Boa parte do alambrado existente no local foi arrancado com o impacto do veículo.

Populares que passavam pelo lugar, no momento da ocorrência, chamaram os bombeiros para socorrerem as vítimas do Gol, mas ao chegar ao local os ocupantes do veículo dispensaram o atendimento, alegando não estarem feridos.

Nesse momento, os bombeiros encontraram a dona de casa Aparecida das Graças Ribeiro, 62, já morta na calçada da avenida, e a coladeira de peças Roselaine Henrique Rafael ainda com vida. Ela foi arremessada a cerca de 15 metros do local do acidente e caiu em um barranco existente no lugar.

Roselaine chegou a ser levada para a Santa Casa, mas morreu cerca de duas horas depois do acidente. Os ocupantes do Gol alegaram não terem percebido o atropelamento.

Dentro do veículo, a polícia encontrou garrafas de cerveja. O condutor do Gol e os dois passageiros foram levados para o plantão policial. Apesar de ter se recusado a fazer o teste do bafômetro, um perito constatou que o motorista estava alcoolizado, mas não embriagado.

Luís Fernando chegou a ficar preso, mas foi solto dias depois do acidente.

O julgamento de Luís Fernando Barbosa da Silva acusado de dirigir alcoolizado e atropelar Aparecida das Graças Ribeiro, 62, e a coladeira de peças Roselaine Henrique Rafael, 34, acontece nesta quinta-feira, 19, na Vara do Júri, no Fórum de Franca.

Luís Fernando responde por dois homicídios e duas tentativas de homicídio.

O julgamento começou por volta das 9h e, em seu testemunho, o motorista pediu perdão para familiares das duas mulheres. O acidente aconteceu em julho de 2014 mas, só agora, depois de oito anos, o julgamento acontece.

"Esperamos agora a justiça do homem. Hoje estamos aqui pra isso!", disse a sobrinha de Roselaine, Camila Renato.

O julgamento prossegue por esta quinta-feira.

O acidente
O atropelamento que resultou na morte das duas mulheres aconteceu na manhã de um domingo, na avenida São Vicente.

Luís Fernando conduzia um Volkswagen Gol, quando perdeu o controle do veículo na altura do Clube dos Servidores Municipais e atingiu as vítimas, por volta das 7h30. Garrafas de bebida foram encontradas no interior do carro.

Segundo a Polícia Militar, o Gol teria perdido o controle ao subir a avenida e capotou, invadindo a calçada. No veículo, havia dois homens e uma mulher.

Os passageiros chegaram a ser arremessados para fora do carro no momento do acidente. Boa parte do alambrado existente no local foi arrancado com o impacto do veículo.

Populares que passavam pelo lugar, no momento da ocorrência, chamaram os bombeiros para socorrerem as vítimas do Gol, mas ao chegar ao local os ocupantes do veículo dispensaram o atendimento, alegando não estarem feridos.

Nesse momento, os bombeiros encontraram a dona de casa Aparecida das Graças Ribeiro, 62, já morta na calçada da avenida, e a coladeira de peças Roselaine Henrique Rafael ainda com vida. Ela foi arremessada a cerca de 15 metros do local do acidente e caiu em um barranco existente no lugar.

Roselaine chegou a ser levada para a Santa Casa, mas morreu cerca de duas horas depois do acidente. Os ocupantes do Gol alegaram não terem percebido o atropelamento.

Dentro do veículo, a polícia encontrou garrafas de cerveja. O condutor do Gol e os dois passageiros foram levados para o plantão policial. Apesar de ter se recusado a fazer o teste do bafômetro, um perito constatou que o motorista estava alcoolizado, mas não embriagado.

Luís Fernando chegou a ficar preso, mas foi solto dias depois do acidente.

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Dirceu
    19/05/2022
    Infelizmente sou muito incrédulo com a justiça em casos de acidentes, já ví tantos casos de que os motoristas saem sem problema alguns e quem se ferra sempre são os pedestres... sempre tem um atenuante que os livra de pagarem por seus crimes. Vamos ver se nesse caso eu me surpreenda.