NOVO NOME

NOVO NOME

Maraisa anuncia mudança de marca As Patroas após briga judicial

Maraisa anuncia mudança de marca As Patroas após briga judicial

Maraisa anunciou que o álbum com as músicas da dupla com sua irmã Maiara e Marília Mendonça, lançado em setembro de 2020, vai mudar de nome.

Maraisa anunciou que o álbum com as músicas da dupla com sua irmã Maiara e Marília Mendonça, lançado em setembro de 2020, vai mudar de nome.

Por | 17/06/2022 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Por
da Folhapress

17/06/2022 - Tempo de leitura: 2 min

Melissa Toledo/GCN

Maraisa publicou em seu Twitter que a produção do trio se chamará Festa das Patroas 35%.

A polêmica envolvendo a marca As Patroas ganhou um novo capítulo. Nesta sexta-feira, 17, Maraisa anunciou que o álbum com as músicas da dupla com sua irmã Maiara e Marília Mendonça, lançado em setembro de 2020, vai mudar de nome. A decisão pela troca do título acontece após a cantora baiana Daisy Soares ter sido reconhecida como proprietária da marca tanto no singular quanto no plural.

Maraisa publicou em seu Twitter que a produção do trio se chamará Festa das Patroas 35%. "A história já está feita", escreveu a sertaneja. A nova marca faz referência à Festa das Patroas, evento sertanejo que foi comandado pelas irmãs e por Marília em 2016. Já o número percentual simboliza que o projeto sobre a amizade das três era uma pequena parcela do que elas planejavam produzir em conjunto. Marília Mendonça morreu em novembro do ano passado em um acidente aéreo em Piedade de Caratinga (MG).

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Daisy Soares, 39, uma das fundadoras da banda de forró A Patroa, revelou ter sido alvo de ameaças e xenofobia de fãs da dupla Maiara e Maraisa e de Marília Mendonça desde que tinha conseguido na Justiça a proibição do uso da marca As Patroas.

"Eu recebo muitas mensagens dizendo para eu entregar a marca para elas. E o meu sonho fica onde?", desabafa ela, que relata ligações de ameaça a um shopping onde se apresentaria e ataques xenófobos nas redes sociais. "De tudo o que eu ouvi, o que mais me machucou foi mexer com o lugar onde eu moro, eu nasci, o lugar que eu amo as pessoas", explicou, que já registrou queixa-crime contra uma pessoa.

Em 8 de junho, o juiz substituto Argemiro de Azevedo Dutra, da A 2ª Vara Empresarial de Salvador, determinou multa de R$ 100 mil caso Maiara e Maraisa e seu escritório continuem a usar o nome As Patroas. "Entendo demonstrados, nessa fase inicial, a alta probabilidade do direito protetivo invocado, bem como o extenso perigo de continuidade do dano gerado pela utilização indevida da marca alheia com proveito econômico e financeiro", aponta o juiz.

Daisy lançou a banda de forró A Patroa em 2013, ao lado da sócia, a guitarrista Paulinha, 27, e iniciou o processo de registro do nome no ano seguinte. O Inpi (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) concedeu a exclusividade da marca artística em 2017, impedindo inclusive o uso no plural como no caso do projeto musical das cantoras sertanejas.

A polêmica envolvendo a marca As Patroas ganhou um novo capítulo. Nesta sexta-feira, 17, Maraisa anunciou que o álbum com as músicas da dupla com sua irmã Maiara e Marília Mendonça, lançado em setembro de 2020, vai mudar de nome. A decisão pela troca do título acontece após a cantora baiana Daisy Soares ter sido reconhecida como proprietária da marca tanto no singular quanto no plural.

Maraisa publicou em seu Twitter que a produção do trio se chamará Festa das Patroas 35%. "A história já está feita", escreveu a sertaneja. A nova marca faz referência à Festa das Patroas, evento sertanejo que foi comandado pelas irmãs e por Marília em 2016. Já o número percentual simboliza que o projeto sobre a amizade das três era uma pequena parcela do que elas planejavam produzir em conjunto. Marília Mendonça morreu em novembro do ano passado em um acidente aéreo em Piedade de Caratinga (MG).

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Daisy Soares, 39, uma das fundadoras da banda de forró A Patroa, revelou ter sido alvo de ameaças e xenofobia de fãs da dupla Maiara e Maraisa e de Marília Mendonça desde que tinha conseguido na Justiça a proibição do uso da marca As Patroas.

"Eu recebo muitas mensagens dizendo para eu entregar a marca para elas. E o meu sonho fica onde?", desabafa ela, que relata ligações de ameaça a um shopping onde se apresentaria e ataques xenófobos nas redes sociais. "De tudo o que eu ouvi, o que mais me machucou foi mexer com o lugar onde eu moro, eu nasci, o lugar que eu amo as pessoas", explicou, que já registrou queixa-crime contra uma pessoa.

Em 8 de junho, o juiz substituto Argemiro de Azevedo Dutra, da A 2ª Vara Empresarial de Salvador, determinou multa de R$ 100 mil caso Maiara e Maraisa e seu escritório continuem a usar o nome As Patroas. "Entendo demonstrados, nessa fase inicial, a alta probabilidade do direito protetivo invocado, bem como o extenso perigo de continuidade do dano gerado pela utilização indevida da marca alheia com proveito econômico e financeiro", aponta o juiz.

Daisy lançou a banda de forró A Patroa em 2013, ao lado da sócia, a guitarrista Paulinha, 27, e iniciou o processo de registro do nome no ano seguinte. O Inpi (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) concedeu a exclusividade da marca artística em 2017, impedindo inclusive o uso no plural como no caso do projeto musical das cantoras sertanejas.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.