'CLIMÃO'

'CLIMÃO'

Anitta sobre fala de cantora gospel: 'Não me mande respeitar quem não respeita'

Anitta sobre fala de cantora gospel: 'Não me mande respeitar quem não respeita'

Depois do repúdio da cantora Ludmilla, 27, agora foi a vez de Anitta, 29, se revoltar com o discurso homofóbico da cantora gospel Bruna Karla, 32.

Depois do repúdio da cantora Ludmilla, 27, agora foi a vez de Anitta, 29, se revoltar com o discurso homofóbico da cantora gospel Bruna Karla, 32.

Por | 19/06/2022 | Tempo de leitura: 1 min
da Folhapress

Por
da Folhapress

19/06/2022 - Tempo de leitura: 1 min

Depois do repúdio da cantora Ludmilla, 27, agora foi a vez de Anitta, 29, se revoltar com o discurso homofóbico da cantora gospel Bruna Karla, 32. Em um vídeo que viralizou nas redes sociais, a intérprete de canções como "Cicatrizes" e "Advogado Fiel" revelou que considera as relações homoafetivas como um "caminho para a morte eterna".

"Gente, de uma vez por todas. Repudiar LGBTQ+, desejar a 'cura ou morte', desejar o fim, a aniquilação de pessoas LGBTQ ou proibir pessoas de transitar num ambiente ou de serem eles mesmos não é cultura", começou Anitta.

"E não me mande respeitar alguém que não respeita os outros. Na minha religião e na minha cultura pode ter gay, travesti, trans, mulher com mulher. Então vai pro c****", emendou.

Segundo Anitta, não tem como ter paciência com esse tipo de coisa. "Não existe religião, cultura ou Bíblia que possa dizer para um ser humano que Deus está te pedindo para repudiar os outros dessa maneira."

Bruna Karla contou em entrevista ao podcast Positivamente, apresentado por Karina Bacchi, que se negou a cantar no casamento de um amigo homossexual por não ser a favor de relacionamentos da comunidade LGBTQIA+.

"Quando você se casar com uma mulher linda e cheia do poder de Deus, vou sim. O dia em que eu aceitar cantar no seu casamento com outro homem, posso parar de cantar sobre ler a Bíblia e sobre Jesus", admitiu a cantora.

Depois do repúdio da cantora Ludmilla, 27, agora foi a vez de Anitta, 29, se revoltar com o discurso homofóbico da cantora gospel Bruna Karla, 32. Em um vídeo que viralizou nas redes sociais, a intérprete de canções como "Cicatrizes" e "Advogado Fiel" revelou que considera as relações homoafetivas como um "caminho para a morte eterna".

"Gente, de uma vez por todas. Repudiar LGBTQ+, desejar a 'cura ou morte', desejar o fim, a aniquilação de pessoas LGBTQ ou proibir pessoas de transitar num ambiente ou de serem eles mesmos não é cultura", começou Anitta.

"E não me mande respeitar alguém que não respeita os outros. Na minha religião e na minha cultura pode ter gay, travesti, trans, mulher com mulher. Então vai pro c****", emendou.

Segundo Anitta, não tem como ter paciência com esse tipo de coisa. "Não existe religião, cultura ou Bíblia que possa dizer para um ser humano que Deus está te pedindo para repudiar os outros dessa maneira."

Bruna Karla contou em entrevista ao podcast Positivamente, apresentado por Karina Bacchi, que se negou a cantar no casamento de um amigo homossexual por não ser a favor de relacionamentos da comunidade LGBTQIA+.

"Quando você se casar com uma mulher linda e cheia do poder de Deus, vou sim. O dia em que eu aceitar cantar no seu casamento com outro homem, posso parar de cantar sobre ler a Bíblia e sobre Jesus", admitiu a cantora.

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Lucinda
    19/06/2022
    E bem assim mesmo essa cambada de sem o que fazer gospel engana todo tudo tira dinheiro na base fo nome de Deus mais nei eles sabem o que e Deus de verdade um povo invejoso mal fala mal da vida daqueles que mais são admirados por nos e amamos v ? E mil Anitta. LUDMILLA também vcs, saobexemplo de família palco, amadas por todos viva a vida