JOGOS DE AZAR

JOGOS DE AZAR

Gaeco mira quadrilha que movimentou R$ 170 milhões em Franca e mais 19 cidades

Gaeco mira quadrilha que movimentou R$ 170 milhões em Franca e mais 19 cidades

De acordo com o Gaeco, a suspeita é que quadrilha investigada por lavagem de dinheiro movimentou montante milionário em 5 anos; 76 mandados de busca e apreensão foram cumpridos.

De acordo com o Gaeco, a suspeita é que quadrilha investigada por lavagem de dinheiro movimentou montante milionário em 5 anos; 76 mandados de busca e apreensão foram cumpridos.

Por Kaique Castro | 5 dias atrás | Tempo de leitura: 1 min
da Redação

Por Kaique Castro
da Redação

5 dias atrás - Tempo de leitura: 1 min

Divulgação/Ministério Público

Dinheiro apreendido durante operação Noteiro nesta quarta-feira, 22

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Especializado) de Franca, com apoio da Polícia Militar e Civil, deflagrou na manhã desta quarta-feira, 22, a Operação Noteiro, que tem como alvo membros de uma quadrilha investigada por lavagem de dinheiro e exploração de jogo de azar. A suspeita é que o grupo criminoso movimentou R$ 170 milhões em cinco anos.

De acordo com o Ministério Público, 76 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em 20 municípios, como Franca, São Paulo, Barretos, Ribeirão PretoCampinas.

O objetivo da operação, segundo o Gaeco, é desmantelar a organização criminosa formada por, pelo menos, 33 pessoas, além de algumas empresas.

Ainda de acordo com o Ministério Público, o esquema fraudulento aproveitava de empresas formais para lavar o dinheiro. Transações eram feitas e até documentos fiscais eram emitidos para acobertar o crime. Outras empresas também foram criadas para realizar a lavagem de dinheiro.

“Os integrantes da organização criminosa estão sendo investigados em dois procedimentos investigatórios criminais do Gaeco e as cautelares deferidas pelos juízos respectivos determinaram, além das buscas, o sequestro de todos os bens dos investigados, dentre contas bancárias, veículos, imóveis e outros ativos com valor econômico”, disse o Gaeco.

Participaram da operação 4 promotores de Justiça, 33 servidores do Ministério Público, 40 auditores fiscais, 8 delegados de Polícia, 95 policiais civis e 156 policiais militares.

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Especializado) de Franca, com apoio da Polícia Militar e Civil, deflagrou na manhã desta quarta-feira, 22, a Operação Noteiro, que tem como alvo membros de uma quadrilha investigada por lavagem de dinheiro e exploração de jogo de azar. A suspeita é que o grupo criminoso movimentou R$ 170 milhões em cinco anos.

De acordo com o Ministério Público, 76 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em 20 municípios, como Franca, São Paulo, Barretos, Ribeirão PretoCampinas.

O objetivo da operação, segundo o Gaeco, é desmantelar a organização criminosa formada por, pelo menos, 33 pessoas, além de algumas empresas.

Ainda de acordo com o Ministério Público, o esquema fraudulento aproveitava de empresas formais para lavar o dinheiro. Transações eram feitas e até documentos fiscais eram emitidos para acobertar o crime. Outras empresas também foram criadas para realizar a lavagem de dinheiro.

“Os integrantes da organização criminosa estão sendo investigados em dois procedimentos investigatórios criminais do Gaeco e as cautelares deferidas pelos juízos respectivos determinaram, além das buscas, o sequestro de todos os bens dos investigados, dentre contas bancárias, veículos, imóveis e outros ativos com valor econômico”, disse o Gaeco.

Participaram da operação 4 promotores de Justiça, 33 servidores do Ministério Público, 40 auditores fiscais, 8 delegados de Polícia, 95 policiais civis e 156 policiais militares.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.