VIOLÊNCIA

VIOLÊNCIA

Justiça acata pedido da Polícia para prisão do agressor da procuradora-geral de Registro

Justiça acata pedido da Polícia para prisão do agressor da procuradora-geral de Registro

Juiz da 1ª Vara Criminal de Registro expediu mandado; além do depoimento da procuradora, o inquérito policial reuniu fotos e vídeos da agressão.

Juiz da 1ª Vara Criminal de Registro expediu mandado; além do depoimento da procuradora, o inquérito policial reuniu fotos e vídeos da agressão.

Por | 5 dias atrás | Tempo de leitura: 2 min
da Redação

Por
da Redação

5 dias atrás - Tempo de leitura: 2 min

Reprodução

A procuradora-geral Gabriela Samadello Monteiro de Barros foi brutalmente agredida por um colega de trabalho, o também procurador Demétrius Oliveira de Macedo.

A Justiça acatou o pedido feito pela Polícia Civil de São Paulo nesta quarta-feira, 22, para a prisão preventiva do procurador Demétrius Oliveira de Macedo, 34, que agrediu a procuradora-geral da Prefeitura de Registro, Gabriela Samadello Monteiro de Barros, 39, na última segunda, 20. As informações são da assessoria de comunicação do Governo do Estado de São Paulo.

O mandado foi expedido pelo juiz da 1ª Vara Criminal de Registro, Raphael Ernane Neves, que justificou que “nenhuma das medidas alternativas se revela pertinente”.

Mais cedo, o governador Rodrigo Garcia (PSDB) havia se manifestado sobre o caso. “A agressão do procurador de Registro a uma colega não ficará impune. A Polícia Civil acaba de pedir a prisão do agressor Demétrius Macedo. Que a Justiça faça a sua parte e puna todo e qualquer covarde que agrida uma mulher”, disse Garcia.

De acordo com o despacho do delegado Daniel Vaz Rocha, do 1º Distrito Policial de Registro, que representou pela prisão do acusado na 1ª Vara Criminal da cidade, o acusado “vem tendo sérios problemas de relacionamento com mulheres no ambiente de trabalho, sendo que, em liberdade, expõe a perigo a vida delas, e consequentemente, a ordem pública.”

Para fundamentar o pedido de prisão preventiva, além do depoimento da procuradora-geral, o inquérito policial instaurado para apurar o caso reuniu fotos e vídeos da agressão.

O caso
A procuradora-geral Gabriela Samadello Monteiro de Barros foi brutalmente agredida nesta segunda-feira, 20, por um colega de trabalho, o também procurador Demétrius Oliveira de Macedo, 34, em uma das salas do prédio da Prefeitura de Registro (SP), onde ambos trabalham.

As agressões foram gravadas por outra funcionária do local. As imagens que circulam nas redes sociais mostram Macedo desferindo socos e chutes em Gabriela, que fica encantoada, caída no chão da sala. Duas funcionárias tentam impedi-lo de continuar com a violência e uma dela acaba empurrada com força contra uma porta.

Durante as agressões, Macedo xinga e usa uma série de palavras de baixo calão contra Gabriela. No boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil pela procuradora consta que, antes das sequência de socos contra ela que as imagens gravadas mostram, Macedo havia desferido uma forte cotovelada na região da cabeça de sua.

A Justiça acatou o pedido feito pela Polícia Civil de São Paulo nesta quarta-feira, 22, para a prisão preventiva do procurador Demétrius Oliveira de Macedo, 34, que agrediu a procuradora-geral da Prefeitura de Registro, Gabriela Samadello Monteiro de Barros, 39, na última segunda, 20. As informações são da assessoria de comunicação do Governo do Estado de São Paulo.

O mandado foi expedido pelo juiz da 1ª Vara Criminal de Registro, Raphael Ernane Neves, que justificou que “nenhuma das medidas alternativas se revela pertinente”.

Mais cedo, o governador Rodrigo Garcia (PSDB) havia se manifestado sobre o caso. “A agressão do procurador de Registro a uma colega não ficará impune. A Polícia Civil acaba de pedir a prisão do agressor Demétrius Macedo. Que a Justiça faça a sua parte e puna todo e qualquer covarde que agrida uma mulher”, disse Garcia.

De acordo com o despacho do delegado Daniel Vaz Rocha, do 1º Distrito Policial de Registro, que representou pela prisão do acusado na 1ª Vara Criminal da cidade, o acusado “vem tendo sérios problemas de relacionamento com mulheres no ambiente de trabalho, sendo que, em liberdade, expõe a perigo a vida delas, e consequentemente, a ordem pública.”

Para fundamentar o pedido de prisão preventiva, além do depoimento da procuradora-geral, o inquérito policial instaurado para apurar o caso reuniu fotos e vídeos da agressão.

O caso
A procuradora-geral Gabriela Samadello Monteiro de Barros foi brutalmente agredida nesta segunda-feira, 20, por um colega de trabalho, o também procurador Demétrius Oliveira de Macedo, 34, em uma das salas do prédio da Prefeitura de Registro (SP), onde ambos trabalham.

As agressões foram gravadas por outra funcionária do local. As imagens que circulam nas redes sociais mostram Macedo desferindo socos e chutes em Gabriela, que fica encantoada, caída no chão da sala. Duas funcionárias tentam impedi-lo de continuar com a violência e uma dela acaba empurrada com força contra uma porta.

Durante as agressões, Macedo xinga e usa uma série de palavras de baixo calão contra Gabriela. No boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil pela procuradora consta que, antes das sequência de socos contra ela que as imagens gravadas mostram, Macedo havia desferido uma forte cotovelada na região da cabeça de sua.

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Anônimo
    4 dias atrás
    Esse tipinho de homem tem q ir preso e nunca mais sair da cadeia!!!!!