EXCLUSIVO

EXCLUSIVO

Elize Matsunaga mora em Franca desde que saiu da penitenciária há um mês

Elize Matsunaga mora em Franca desde que saiu da penitenciária há um mês

Advogada confirmou que Elize Matsunaga está residindo na cidade desde 30 de maio. Ex-detenta por matar e esquartejar o marido foi vista no Fórum de Franca nesta segunda-feira, 27.

Advogada confirmou que Elize Matsunaga está residindo na cidade desde 30 de maio. Ex-detenta por matar e esquartejar o marido foi vista no Fórum de Franca nesta segunda-feira, 27.

Por Kaique Castro | 27/06/2022 | Tempo de leitura: 2 min
da Redação

Por Kaique Castro
da Redação

27/06/2022 - Tempo de leitura: 2 min

Kaique Castro/GCN

Elize Matsunaga (à frente) é acompanhada pela advogada até o carro estacionado em frente ao Fórum de Franca

Elize Matsunaga, de 39 anos, que deixou a Penitenciária Feminina de Tremembé em 30 de maio deste ano, após cumprir pena de 10 anos por matar e esquartejar o marido, está realmente morando em Franca. O crime teve repercussão nacional. Elize confessou ter matado e esquartejado o corpo do marido e empresário Marcos Kitano Matsunaga em 2012. Ele era um dos herdeiros da empresa alimentícia Yoki.

A advogada francana Abadia Beretta confirmou que desde o dia que saiu da cadeia, Matsunaga vive no apartamento que comprou na zona Sul de Franca. A compra do imóvel ocorreu em outubro de 2021 enquanto ela ainda estava presa.

Desde a divulgação da compra do imóvel, não era concreto se a aquisição era para moradia própria ou um investimento. No fim da tarde desta segunda-feira, 27, Elize foi flagrada pelo portal GCN, mas não falou com a reportagem. Horas depois, a sua advogada confirmou que a ex-detenta está residindo na cidade.

A advogada disse que desde o dia que sua cliente ganhou a liberdade condicional, a execução ainda não havia chegado, por isso, Elize foi espontaneamente até o Fórum para informar sobre seu novo endereço, uma das exigências de quem deixa a prisão nessa condição.

“Mesmo sem a execução ter chegado, ela foi até o fórum, para dizer ‘eu estou aqui (Franca), quero assinar certinho os documentos’. Era uma preocupação dela estar certa com a lei. Mas ela foi comunicada que tem que esperar a execução chegar”, contou Abadia.

A advogada, que é correspondente do advogado principal de Elize, relatou que quando a ex-detenta saiu da Penitenciária já havia deixado à disposição da Jusjtiça o endereço do apartamento no Jardim Santa Lúcia, em Franca.

Elize vive sozinha no apartamento de 90m² comprado por R$ 230 mil pagos à vista. O apartamento adquirido por ela fica no térreo de um prédio que conta com apenas mais um andar superior, compreendendo um bloco de quatro apartamentos.

Ainda segundo Abadia, Elize pretende seguir a vida em Franca. Em casa, ela faz roupas de pet e deverá vender os produtos online.

A ligação de Matsunaga com a cidade pode estar relacionado com a advogada francana Adriana Telini. Ambas cumpriram penas juntas em Tremembé. Abaixo, fotos de Elize com o marido assassinado.

Elize Matsunaga, de 39 anos, que deixou a Penitenciária Feminina de Tremembé em 30 de maio deste ano, após cumprir pena de 10 anos por matar e esquartejar o marido, está realmente morando em Franca. O crime teve repercussão nacional. Elize confessou ter matado e esquartejado o corpo do marido e empresário Marcos Kitano Matsunaga em 2012. Ele era um dos herdeiros da empresa alimentícia Yoki.

A advogada francana Abadia Beretta confirmou que desde o dia que saiu da cadeia, Matsunaga vive no apartamento que comprou na zona Sul de Franca. A compra do imóvel ocorreu em outubro de 2021 enquanto ela ainda estava presa.

Desde a divulgação da compra do imóvel, não era concreto se a aquisição era para moradia própria ou um investimento. No fim da tarde desta segunda-feira, 27, Elize foi flagrada pelo portal GCN, mas não falou com a reportagem. Horas depois, a sua advogada confirmou que a ex-detenta está residindo na cidade.

A advogada disse que desde o dia que sua cliente ganhou a liberdade condicional, a execução ainda não havia chegado, por isso, Elize foi espontaneamente até o Fórum para informar sobre seu novo endereço, uma das exigências de quem deixa a prisão nessa condição.

“Mesmo sem a execução ter chegado, ela foi até o fórum, para dizer ‘eu estou aqui (Franca), quero assinar certinho os documentos’. Era uma preocupação dela estar certa com a lei. Mas ela foi comunicada que tem que esperar a execução chegar”, contou Abadia.

A advogada, que é correspondente do advogado principal de Elize, relatou que quando a ex-detenta saiu da Penitenciária já havia deixado à disposição da Jusjtiça o endereço do apartamento no Jardim Santa Lúcia, em Franca.

Elize vive sozinha no apartamento de 90m² comprado por R$ 230 mil pagos à vista. O apartamento adquirido por ela fica no térreo de um prédio que conta com apenas mais um andar superior, compreendendo um bloco de quatro apartamentos.

Ainda segundo Abadia, Elize pretende seguir a vida em Franca. Em casa, ela faz roupas de pet e deverá vender os produtos online.

A ligação de Matsunaga com a cidade pode estar relacionado com a advogada francana Adriana Telini. Ambas cumpriram penas juntas em Tremembé. Abaixo, fotos de Elize com o marido assassinado.

17 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • APARECIDO DONIZETE NUNES
    27/06/2022
    Essa é a nossa Justiça Brasileira.
  • Ira
    27/06/2022
    Nao sei porque tanto destaque, a reportagem, querer falar com uma pessoa, que esquetejou o marido?Deus perdoa a todos nos,nao resta duvida, o pior criminoso,se ele se arrepender, e perdoado por Deus,mas estao dando muito destaque a uma pessoa, fria, que tirou a vida dom proprio marido, eu nao gostaria de conviver com ela.
  • Jean
    27/06/2022
    Tem gente bem mais perigoso que ela solto por ai
  • Eduardo
    27/06/2022
    GCN acorda para a vida, deixa a mulher viver em paz. Jornal sem noção, está pior que o Léo Dias.
  • Jesuino Salgado
    27/06/2022
    Foi julgada, foi condenada, cumpriu a condenação, o que mais precisa para ela viver a vida que Deus lhe confere?, a sua culpa?, pense na sua antes da dela.
  • Cícero Marinho
    27/06/2022
    Finalmente Franca tem uma celebridade como moradora
  • soyers
    27/06/2022
    Ja ja os nobres vereadores anunciam uma moção de aplauso e uma sessão solene para entrega da chave da cidade e o titulo de cidadã francana.
  • Leonardo
    27/06/2022
    Tanta coisa pra noticiar , a cidadã cumpriu sua sentença 1/3 da mesma como teve bom comportamento ganhou a liberdade condicional e está cumprindo com sua obrigação civil simples , agora ficar perseguindo ela na rua filmando com qual intuito ? Ver se ela vai cometer o crime novamente por favor né , vamos noticiar algo relevante
  • Elder Peres
    27/06/2022
    Deixa a mulher em paz para seguir com a vida, já pagou pelo que fez e o marido morto não era flor que se cheira.
  • Cláudia Aparecida Franco
    28/06/2022
    Pelo amor de Deus deixa ela viver em paz e onde quiser,já pagou presa e agora vai pagar em liberdade,todos falam demais ,mas duvido q vai aparecer alguém e oferecer algum tipo de trabalho pra ela,como sei q não vai então deixa ela viver,e o dia q eu a ver na rua com certeza vou dar as boas vindas a ela.
  • Antônio Carlos
    28/06/2022
    Eita, esse povo da Franca gosta duma fofoca hein, nem mudou direito já tá na boca do povo, logo logo tá nas colunas sociais da cidade
  • adilson
    28/06/2022
    Falta de materia , só pode ser
  • Katia
    28/06/2022
    Deixa a mulher em paz! Triste ver 4 ou 5 anos estudando para escrever matéria de fofoca, expor a vida alheia. Está cansativo isso, vamos virar a pagina e esforçar um pouco mais para publicar o que de fato interessa a população. Lamentável.
  • Pedro
    29/06/2022
    Vocês aí reclamando do jornal publicar isso... Leiam o livro 10% mais feliz de Dan Harris - que por sinal narra uma história sensacional - e aprendam de uma vez que não tem nada de nobre no jornalismo. Jornalismo é um negócio e como todo negócio apela às emoções das pessoas para lucrar.
  • Pedro
    29/06/2022
    A mulher ainda saiu rica (com o dinheiro de sua vítima) da cadeia. Mesmo destino que a Richthofen terá. No Brasil, se você tem grana, o crime compensa.
  • Simão Sebastião Salomão Aragão
    01/07/2022
    Elize não oferece perigo algum. Agora, devemos nos preocupar com um genocida que deixou morrer mais de meio milhão de pessoas e ainda zombou delas e da família. Esse é perigoso e deve ir para o xilindró assim que janeiro chegar e o meliante perder o foro privilegiado.
  • Denise
    02/07/2022
    Tem muita gente solta franca que matou inocente porque estava dirigindo embreagado.... muito caso de feminicidio....que nunca foram para cadeia ...vão perceguir eles !!!! Ela já pagou !!Não é porque não está mais presa que ainda não carrega as consequências!!