NOSSAS LETRAS

NOSSAS LETRAS

Perscruta

Perscruta

Tenho 26 anos, mas sinto que já vivi todo o inferno de uma vida inteira. Leia a crônica de Júlia Gonçalves.

Tenho 26 anos, mas sinto que já vivi todo o inferno de uma vida inteira. Leia a crônica de Júlia Gonçalves.

Por Júlia Gonçalves | 23/07/2022 | Tempo de leitura: 1 min
especial para o GCN

Por Júlia Gonçalves
especial para o GCN

23/07/2022 - Tempo de leitura: 1 min

Tenho 26 anos, mas sinto que já vivi todo o inferno de uma vida inteira. Todo meu corpo dói, fibromialgia o diagnóstico.

Segundo a médica espiritualista que me examinou, a depressão é a maior causa. Ambas as doenças caminham juntas, como companheiras de maternal, lentas progressistas e definham a vida de quem as tem.

E o mundo me pesa e doe na mesma intensidade.

Desde os 12 quando entendi a vida nunca mais soube se eu era feliz ou fingia. Em alguns momentos o sentimento era intenso e por isso eu acreditava que seria perpétuo. Em outros durava o sabor de um chiclete barato.

Mais tarde meus olhos sistemáticos retinham ações alinhavadas em voil. Na teoria, nascemos programados para sermos felizes. Ninguém é triste, legitimada em campo por todos os anos atestou-se que a felicidade é algo orgânico do humano. Aos poucos degredados, como eu, sobeja a simulação. Confesso que me perdi no personagem há tempos e hoje me exibo com a naturalidade de um poeta fingidor.

A ironia me coça a barriga como uma quase felicidade, se não fora custeada a certa desgraça a batizaria em Aurum e a exibiria em tom de carmim. Mas ironia não é felicidade e nem encenar felicidade é felicidade.

Talvez felicidade seja uma invenção, uma palavra para nomear um desejo, ou uma criação motivacional. Quiçá uma lenda divina arrebatadora em beleza, cânticos e alívio.

Salvaguarda continuarei com minha atuação aspirando aprovação do público que a mim perscruta.

Tenho 26 anos, mas sinto que já vivi todo o inferno de uma vida inteira. Todo meu corpo dói, fibromialgia o diagnóstico.

Segundo a médica espiritualista que me examinou, a depressão é a maior causa. Ambas as doenças caminham juntas, como companheiras de maternal, lentas progressistas e definham a vida de quem as tem.

E o mundo me pesa e doe na mesma intensidade.

Desde os 12 quando entendi a vida nunca mais soube se eu era feliz ou fingia. Em alguns momentos o sentimento era intenso e por isso eu acreditava que seria perpétuo. Em outros durava o sabor de um chiclete barato.

Mais tarde meus olhos sistemáticos retinham ações alinhavadas em voil. Na teoria, nascemos programados para sermos felizes. Ninguém é triste, legitimada em campo por todos os anos atestou-se que a felicidade é algo orgânico do humano. Aos poucos degredados, como eu, sobeja a simulação. Confesso que me perdi no personagem há tempos e hoje me exibo com a naturalidade de um poeta fingidor.

A ironia me coça a barriga como uma quase felicidade, se não fora custeada a certa desgraça a batizaria em Aurum e a exibiria em tom de carmim. Mas ironia não é felicidade e nem encenar felicidade é felicidade.

Talvez felicidade seja uma invenção, uma palavra para nomear um desejo, ou uma criação motivacional. Quiçá uma lenda divina arrebatadora em beleza, cânticos e alívio.

Salvaguarda continuarei com minha atuação aspirando aprovação do público que a mim perscruta.

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Ariel
    31/07/2022
    ❤️