NOSSAS LETRAS

NOSSAS LETRAS

Flores de verão

Flores de verão

Sobrevivente da catástrofe, o escritor Tamiki Hara (1905-1951) narra em 'Flores de verão' momentos anteriores, durante e depois da explosão. Leia o texto de Luiz Antonio Ribeiro.

Sobrevivente da catástrofe, o escritor Tamiki Hara (1905-1951) narra em 'Flores de verão' momentos anteriores, durante e depois da explosão. Leia o texto de Luiz Antonio Ribeiro.

Por Luiz Antonio Ribeiro | 30/07/2022 | Tempo de leitura: 4 min
especial para o GCN

Por Luiz Antonio Ribeiro
especial para o GCN

30/07/2022 - Tempo de leitura: 4 min

No dia 6 de agosto de 1945, durante a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos lançaram sobre Hiroshima uma bomba atômica que devastou a cidade e matou dezenas de milhares de pessoas. Sobrevivente da catástrofe, o escritor Tamiki Hara (1905-1951) narra em Flores de verão os momentos anteriores, durante e depois da explosão: o esforço de guerra da população de Hiroshima nos meses anteriores, o clarão fatal que atingiu pessoas, animais, plantas e coisas, e os difíceis meses de recuperação e reconstrução da vida dos que ficaram.

Salvo por estar no banheiro no momento da detonação, Hara descreve tudo o que viu naqueles dias, encontrando as vítimas em desespero pelas ruas, pelos parques e pelo rio que marca a geografia de Hiroshima. Clássico da literatura japonesa do século 20, Flores de verão ganha a sua primeira tradução para o português, feita do original japonês por Jefferson José Teixeira. Segundo o Nobel de Literatura Kenzaburo Oe, Tamiki Hara é "o escritor japonês que melhor retratou a experiência da bomba atômica".

O primeiro texto, Prelúdio à destruição, é ambientado nos meses anteriores à queda da bomba: três irmãos e suas famílias participam do esforço de mobilização de guerra e de treinamentos enquanto a cidade de Hiroshima é evacuada, na expectativa de um ataque aéreo. O segundo texto, Flores de verão, é o relato dos momentos seguintes à explosão da bomba: tendo sobrevivido com poucos ferimentos por estar no banheiro quando o clarão destruiu tudo, o narrador caminha pela cidade, se refugia no parque e testemunha cenas desesperadoras, com pessoas gravemente feridas pedindo ajuda e morrendo pelas ruas e dentro do rio Ota, cujo delta marca a geografia da cidade. O terceiro texto, A partir das ruínas, descreve a cidade e seus habitantes nos meses após a catástrofe, quando amigos e parentes morrem ou adoecem em consequência da radiação e os sobreviventes procuram retomar a vida em meio aos escombros. A edição brasileira acrescentou no final o texto O país do meu mais sincero desejo, escrito em 1951, uma reflexão transcendental sobre o sentido da vida, sobre sua mulher morta pouco antes da tragédia e sobre as memórias da bomba. Esse texto é considerado uma espécie de carta de despedida do autor, que pouco depois deu fim à própria vida.

Imagens que mostram Hiroshima destruída abrem e fecham os capítulos, incluindo fotos da Força Armada Americana e do Museu Memorial da Paz de Hiroshima

O livro, que integra currículo escolar no Japão, chega às livrarias em 6 de agosto, data que marca os 77 anos da tragédia. O lançamento traz a chancela da editora Tinta-da-China Brasil

Tamiki Hara nasceu em Hiroshima, em 1905. Começou a atuar como escritor profissional em meados dos anos 1930. Pouco antes do primeiro aniversário de morte da mulher, Sadae, quando Hara retornava a Hiroshima para viver na casa de sua família, a bomba atômica foi lançada sobre a cidade. A catástrofe ficou registrada em Flores de verão, publicado em 1947 na revista Mita Bungaku, um dos textos inaugurais da literatura sobre a experiência da bomba e que lhe renderia o prêmio Mizukami Takitaro. Pela mesma revista, no mesmo ano, saiu A partir das ruínas, e em 1949, Prelúdio à destruição. O país do meu mais sincero desejo foi publicado em 1951, pouco antes de Hara dar cabo de sua vida, sob o impacto do início da Guerra da Coreia. Um monumento em sua memória foi erguido no castelo de Hiroshima e depois foi transferido para o templo Genbaku. Seu aniversário de morte, 13 de março, é conhecido como Kagenki, nome da sociedade criada por leitores para celebrar sua memória. Hara ganhou projeção mundial nos anos 60, com a divulgação no Ocidente da Genbaku bungaku, ou Literatura da bomba atômica, por autores como Kenzaburo Oe. Sob censura no período da ocupação americana no pós-guerra, hoje Flores de verão é uma das obras mais celebradas da literatura japonesa do século 20.

Sobre a editora
A Tinta-da-China Brasil é uma editora de livros independente, sediada em São Paulo, controlada pela Associação Quatro Cinco Um, organização sem fins lucrativos dedicada à difusão da cultura do livro. Originalmente um selo da Tinta da China — uma das editoras mais relevantes de Portugal, que publica com independência e alta qualidade editorial o melhor da literatura clássica e contemporânea e a edição em língua portuguesa da mais importante revista literária da era moderna, a britânica Granta —, em janeiro de 2022, a Tinta-da-China Brasil passou a ser controlada pela Associação Quatro Cinco Um, que reativou a editora fazendo reimpressões, lançamentos e vendas de livros já produzidos.

Ficha técnica
Título: Flores de verão
Autor: Tamiki Hara
Tradução: Jefferson José Teixeira
Formato: 130x180 cm
Páginas: 136
ISBN: 978-65-84835-03-0
Preço livraria: R$ 55
Editora: Tinta-da-China Brasil

No dia 6 de agosto de 1945, durante a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos lançaram sobre Hiroshima uma bomba atômica que devastou a cidade e matou dezenas de milhares de pessoas. Sobrevivente da catástrofe, o escritor Tamiki Hara (1905-1951) narra em Flores de verão os momentos anteriores, durante e depois da explosão: o esforço de guerra da população de Hiroshima nos meses anteriores, o clarão fatal que atingiu pessoas, animais, plantas e coisas, e os difíceis meses de recuperação e reconstrução da vida dos que ficaram.

Salvo por estar no banheiro no momento da detonação, Hara descreve tudo o que viu naqueles dias, encontrando as vítimas em desespero pelas ruas, pelos parques e pelo rio que marca a geografia de Hiroshima. Clássico da literatura japonesa do século 20, Flores de verão ganha a sua primeira tradução para o português, feita do original japonês por Jefferson José Teixeira. Segundo o Nobel de Literatura Kenzaburo Oe, Tamiki Hara é "o escritor japonês que melhor retratou a experiência da bomba atômica".

O primeiro texto, Prelúdio à destruição, é ambientado nos meses anteriores à queda da bomba: três irmãos e suas famílias participam do esforço de mobilização de guerra e de treinamentos enquanto a cidade de Hiroshima é evacuada, na expectativa de um ataque aéreo. O segundo texto, Flores de verão, é o relato dos momentos seguintes à explosão da bomba: tendo sobrevivido com poucos ferimentos por estar no banheiro quando o clarão destruiu tudo, o narrador caminha pela cidade, se refugia no parque e testemunha cenas desesperadoras, com pessoas gravemente feridas pedindo ajuda e morrendo pelas ruas e dentro do rio Ota, cujo delta marca a geografia da cidade. O terceiro texto, A partir das ruínas, descreve a cidade e seus habitantes nos meses após a catástrofe, quando amigos e parentes morrem ou adoecem em consequência da radiação e os sobreviventes procuram retomar a vida em meio aos escombros. A edição brasileira acrescentou no final o texto O país do meu mais sincero desejo, escrito em 1951, uma reflexão transcendental sobre o sentido da vida, sobre sua mulher morta pouco antes da tragédia e sobre as memórias da bomba. Esse texto é considerado uma espécie de carta de despedida do autor, que pouco depois deu fim à própria vida.

Imagens que mostram Hiroshima destruída abrem e fecham os capítulos, incluindo fotos da Força Armada Americana e do Museu Memorial da Paz de Hiroshima

O livro, que integra currículo escolar no Japão, chega às livrarias em 6 de agosto, data que marca os 77 anos da tragédia. O lançamento traz a chancela da editora Tinta-da-China Brasil

Tamiki Hara nasceu em Hiroshima, em 1905. Começou a atuar como escritor profissional em meados dos anos 1930. Pouco antes do primeiro aniversário de morte da mulher, Sadae, quando Hara retornava a Hiroshima para viver na casa de sua família, a bomba atômica foi lançada sobre a cidade. A catástrofe ficou registrada em Flores de verão, publicado em 1947 na revista Mita Bungaku, um dos textos inaugurais da literatura sobre a experiência da bomba e que lhe renderia o prêmio Mizukami Takitaro. Pela mesma revista, no mesmo ano, saiu A partir das ruínas, e em 1949, Prelúdio à destruição. O país do meu mais sincero desejo foi publicado em 1951, pouco antes de Hara dar cabo de sua vida, sob o impacto do início da Guerra da Coreia. Um monumento em sua memória foi erguido no castelo de Hiroshima e depois foi transferido para o templo Genbaku. Seu aniversário de morte, 13 de março, é conhecido como Kagenki, nome da sociedade criada por leitores para celebrar sua memória. Hara ganhou projeção mundial nos anos 60, com a divulgação no Ocidente da Genbaku bungaku, ou Literatura da bomba atômica, por autores como Kenzaburo Oe. Sob censura no período da ocupação americana no pós-guerra, hoje Flores de verão é uma das obras mais celebradas da literatura japonesa do século 20.

Sobre a editora
A Tinta-da-China Brasil é uma editora de livros independente, sediada em São Paulo, controlada pela Associação Quatro Cinco Um, organização sem fins lucrativos dedicada à difusão da cultura do livro. Originalmente um selo da Tinta da China — uma das editoras mais relevantes de Portugal, que publica com independência e alta qualidade editorial o melhor da literatura clássica e contemporânea e a edição em língua portuguesa da mais importante revista literária da era moderna, a britânica Granta —, em janeiro de 2022, a Tinta-da-China Brasil passou a ser controlada pela Associação Quatro Cinco Um, que reativou a editora fazendo reimpressões, lançamentos e vendas de livros já produzidos.

Ficha técnica
Título: Flores de verão
Autor: Tamiki Hara
Tradução: Jefferson José Teixeira
Formato: 130x180 cm
Páginas: 136
ISBN: 978-65-84835-03-0
Preço livraria: R$ 55
Editora: Tinta-da-China Brasil

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.