FOI PARA CADEIA

FOI PARA CADEIA

Bolsonarista que matou petista em Foz tem prisão domiciliar revogada e vai para a cadeia

Bolsonarista que matou petista em Foz tem prisão domiciliar revogada e vai para a cadeia

Policial penal federal Jorge Guaranho é acusado de homicídio do guarda municipal Marcelo Arruda, que comemorava, em Foz do Iguaçu, seu aniversário de 50 anos com temática do PT.

Policial penal federal Jorge Guaranho é acusado de homicídio do guarda municipal Marcelo Arruda, que comemorava, em Foz do Iguaçu, seu aniversário de 50 anos com temática do PT.

Por Mauren Luc | 12/08/2022 | Tempo de leitura: 2 min
da Folhapress

Por Mauren Luc
da Folhapress

12/08/2022 - Tempo de leitura: 2 min

Reprodução/Twitter

Jorge Guaranho foi denunciado pelo MP do Paraná sob acusação de homicídio duplamente qualificado por motivo fútil e perigo comum

Dois dias após sair do hospital, o policial penal federal Jorge Guaranho teve sua prisão domiciliar revogada e será levado para o CMP (Complexo Médico Penal do Paraná), em Pinhais, região metropolitana de Curitiba.

Guaranho é denunciado sob acusação de homicídio do guarda municipal Marcelo Arruda, que comemorava, em Foz do Iguaçu, seu aniversário de 50 anos, com temática do PT.

A revogação da prisão domiciliar foi na tarde desta sexta-feira, 12, após a Secretaria de Segurança Pública do Paraná informar que - diferentemente do oficiado anteriormente - o CMP tem condições estruturais e humanas de custodiar Guaranho.

A unidade penitenciária é a mesma na qual ficaram os políticos detidos pela Operação Lava Jato. Na quarta-feira, 10, quando Guaranho saiu do hospital, após um mês internado, um ofício do CMP dizia que o local não tinha condições de atender às necessidades do preso, que levou vários tiros de Arruda.

"Não bastasse a absurda situação de se constatar a total incapacidade técnica do Estado em cumprir a ordem judicial que decretou a prisão preventiva do réu, tem-se a inacreditável omissão em comunicar tempestivamente a sua inaptidão", escreveu o magistrado Gustavo Arguello ao decretar a prisão domiciliar.

Com camisas e cartazes em homenagem a Marcelo Arruda, manifestantes fizeram um ato em frente ao hospital onde Guaranho estava internado, pedindo por justiça. Parentes e amigos do petista também lembraram que o assassinato completou um mês.

De acordo com a defesa da família de Arruda, a permanência de Guaranho em prisão domiciliar era "uma afronta à Justiça, uma vez que o réu cometeu um crime hediondo por intolerância política, que violou flagrantemente direitos humanos", havendo ainda "risco de fuga para o estrangeiro, por ser uma cidade de fronteira".

Preso preventivamente, o policial penal foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná sob acusação de homicídio duplamente qualificado por motivo fútil e perigo comum, com pena que pode variar de 12 a 30 anos de prisão.

Durante os disparos, ele foi atingido por seis tiros disparados por Arruda. Ao cair, foi atingido mais de 20 vezes com chutes na cabeça, conforme revelou o UOL, que teve acesso às imagens das câmeras de segurança no local do crime.

As agressões fazem parte de uma investigação paralela da Polícia Civil do Paraná, que apura o impacto das lesões sofridas por Guaranho em decorrência do espancamento praticado por três homens que estavam na festa.

Jorge Guaranho teve alta da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do hospital há três semanas para se recuperar de lesões, que incluem fragmentos de bala alojados na cabeça, tiros na boca, braços, perna esquerda e de raspão no pescoço, segundo informações passadas ao UOL pelos representantes legais dele. O policial penal ainda sofreu uma fratura no maxilar.

Os advogados de Guaranho chegaram a entrar com pedido de revogação da prisão preventiva para que ele permanecesse em prisão domiciliar "em razão do seu estado de saúde e da necessidade de cuidados médicos". O pedido, no entanto, foi recusado pela Justiça do Paraná.

A defesa de Guaranho foi procurada pela reportagem, mas não atendeu às ligações.

Dois dias após sair do hospital, o policial penal federal Jorge Guaranho teve sua prisão domiciliar revogada e será levado para o CMP (Complexo Médico Penal do Paraná), em Pinhais, região metropolitana de Curitiba.

Guaranho é denunciado sob acusação de homicídio do guarda municipal Marcelo Arruda, que comemorava, em Foz do Iguaçu, seu aniversário de 50 anos, com temática do PT.

A revogação da prisão domiciliar foi na tarde desta sexta-feira, 12, após a Secretaria de Segurança Pública do Paraná informar que - diferentemente do oficiado anteriormente - o CMP tem condições estruturais e humanas de custodiar Guaranho.

A unidade penitenciária é a mesma na qual ficaram os políticos detidos pela Operação Lava Jato. Na quarta-feira, 10, quando Guaranho saiu do hospital, após um mês internado, um ofício do CMP dizia que o local não tinha condições de atender às necessidades do preso, que levou vários tiros de Arruda.

"Não bastasse a absurda situação de se constatar a total incapacidade técnica do Estado em cumprir a ordem judicial que decretou a prisão preventiva do réu, tem-se a inacreditável omissão em comunicar tempestivamente a sua inaptidão", escreveu o magistrado Gustavo Arguello ao decretar a prisão domiciliar.

Com camisas e cartazes em homenagem a Marcelo Arruda, manifestantes fizeram um ato em frente ao hospital onde Guaranho estava internado, pedindo por justiça. Parentes e amigos do petista também lembraram que o assassinato completou um mês.

De acordo com a defesa da família de Arruda, a permanência de Guaranho em prisão domiciliar era "uma afronta à Justiça, uma vez que o réu cometeu um crime hediondo por intolerância política, que violou flagrantemente direitos humanos", havendo ainda "risco de fuga para o estrangeiro, por ser uma cidade de fronteira".

Preso preventivamente, o policial penal foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná sob acusação de homicídio duplamente qualificado por motivo fútil e perigo comum, com pena que pode variar de 12 a 30 anos de prisão.

Durante os disparos, ele foi atingido por seis tiros disparados por Arruda. Ao cair, foi atingido mais de 20 vezes com chutes na cabeça, conforme revelou o UOL, que teve acesso às imagens das câmeras de segurança no local do crime.

As agressões fazem parte de uma investigação paralela da Polícia Civil do Paraná, que apura o impacto das lesões sofridas por Guaranho em decorrência do espancamento praticado por três homens que estavam na festa.

Jorge Guaranho teve alta da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do hospital há três semanas para se recuperar de lesões, que incluem fragmentos de bala alojados na cabeça, tiros na boca, braços, perna esquerda e de raspão no pescoço, segundo informações passadas ao UOL pelos representantes legais dele. O policial penal ainda sofreu uma fratura no maxilar.

Os advogados de Guaranho chegaram a entrar com pedido de revogação da prisão preventiva para que ele permanecesse em prisão domiciliar "em razão do seu estado de saúde e da necessidade de cuidados médicos". O pedido, no entanto, foi recusado pela Justiça do Paraná.

A defesa de Guaranho foi procurada pela reportagem, mas não atendeu às ligações.

1 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Tiago
    12/08/2022
    Ja falaram que não teve motivação politica e esse povo insiste.