MISTÉRIO

MISTÉRIO

Cenipa vai investigar pouso forçado de avião na João Traficante

Cenipa vai investigar pouso forçado de avião na João Traficante

Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) já iniciou investigações. História tem duas versões: uma, de pane; outra, de transporte sobre caminhão.

Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) já iniciou investigações. História tem duas versões: uma, de pane; outra, de transporte sobre caminhão.

Por Kaíque Castro | 13/08/2022 | Tempo de leitura: 3 min
da Redação

Por Kaíque Castro
da Redação

13/08/2022 - Tempo de leitura: 3 min

WhatsApp GCN

O avião experimental: muitas dúvidas, nenhuma certeza

O Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) já iniciou as investigações sobre o incidente envolvendo uma aeronave experimental na manhã desta sexta-feira, 12, na rodovia João Traficante, que liga Franca a Ibiraci (MG).

Existem duas versões do que teria acontecido no KM-15 da rodovia, próximo a nova subestação da CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz).

A primeira é que o avião de São Sebastião do Paraíso (MG) teve uma falha mecânica e o piloto precisou fazer um pouso de emergência na pista.

A segunda é que o avião estaria sendo transportado de São Sebastião do Paraíso (MG) em cima de um caminhão e precisou ter a asa desmontada para entrar no perímetro urbano de Franca.

O Cenipa informou que as investigações começaram e que espera concluir a análise o mais rapidamente possível.

"Investigadores do Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA IV), localizado em São Paulo (SP), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), já estão apurando os fatos acerca desse evento para que sejam tomadas as medidas cabíveis. O objetivo das investigações realizadas pelo CENIPA é prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram. A conclusão das investigações terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade de cada ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir os possíveis fatores contribuintes", disse o órgão em nota.

Versões
Segundo duas testemunhas ouvidas pelo GCN, o acidente aconteceu por volta das 7h30 no KM-15 da rodovia, próximo à nova subestação da CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz).

"Estava indo trabalhar em uma chácara perto de Ibiraci e de repente vi o avião vindo na direção do carro, muito baixo, na rodovia mesmo. O piloto, um senhor de idade, conseguiu fazer o pouso. Eu parei o carro no acostamento. Estávamos em três no carro e ajudamos ele a tirar o avião da pista", contou um pedreiro de 36 anos que preferiu não se identificar.

Segundo o pedreiro, o piloto afirmou que a aeronave apresentou problemas mecânicos e vazamento de óleo, forçando o pouso.

Depois que estacionaram a aeronave nas margens da pista, o pedreiro foi embora, mas viu o piloto entrando em uma caminhonete. A aeronave foi deixada ao lado da subestação.

Já a outra versão foi apresentada por Carlos  Henrique, presidente do grupo "Off-road". Ele afirmou que foi contratado para remover as asas do avião para que ele fosse levado para o Aeroporto Lund Pressotto, em Franca.

Ele afirma que o avião estava vindo em cima de um caminhão, mas que tiveram que remover as asas da aeronave para acessar o perímetro urbano de Franca.

Vídeo viralizou
Apesar de dar a versão que estaria desmontando o avião nas margens da rodovia, Carlos Eduardo gravou um vídeo do lado do avião, afirmando que o piloto fez um pouso forçado.

"A gente morre e não vê tudo. O avião fundiu o motor aqui na rodovia. Teve sorte (o piloto)", diz Carlos no vídeo.

Já na manhã deste sábado, 13, Carlos foi até suas redes sociais e afirmou que fez o vídeo "fake" para se vingar de um jornalista que trabalha numa emissora de TV e que não quis anunciar sua ação social.

"Eu sou o motoqueiro que falou que o avião fez um pouso forçado. E sou o mesmo que desmontou o avião. Eu fiz isso e mandei para uma pessoa só. Eu sabia que essa pessoa ia fazer isso para Franca. Eu não mandei 'fake news' pra ninguém, eu só mandei para essa pessoa. Quem passou fake foi essa pessoa da TV. E eu sou o mesmo que fiz uma ação social para o Hospital do Câncer de Franca e ele (pessoa para quem mandou o video) não quis colocar nas redes sociais", afirmou Carlos Eduardo.

Investigações
Além do Cenipa, um boletim de ocorrência foi feito. Após a conclusão das investigações do órgão, se confirmado o pouso forçado, o piloto pode responder por exposição de vida em perigo. Se descartado o acidente aéreo, a Polícia Civil também investigará o caso para eventuais responsabilizações.

O Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) já iniciou as investigações sobre o incidente envolvendo uma aeronave experimental na manhã desta sexta-feira, 12, na rodovia João Traficante, que liga Franca a Ibiraci (MG).

Existem duas versões do que teria acontecido no KM-15 da rodovia, próximo a nova subestação da CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz).

A primeira é que o avião de São Sebastião do Paraíso (MG) teve uma falha mecânica e o piloto precisou fazer um pouso de emergência na pista.

A segunda é que o avião estaria sendo transportado de São Sebastião do Paraíso (MG) em cima de um caminhão e precisou ter a asa desmontada para entrar no perímetro urbano de Franca.

O Cenipa informou que as investigações começaram e que espera concluir a análise o mais rapidamente possível.

"Investigadores do Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA IV), localizado em São Paulo (SP), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), já estão apurando os fatos acerca desse evento para que sejam tomadas as medidas cabíveis. O objetivo das investigações realizadas pelo CENIPA é prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram. A conclusão das investigações terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade de cada ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir os possíveis fatores contribuintes", disse o órgão em nota.

Versões
Segundo duas testemunhas ouvidas pelo GCN, o acidente aconteceu por volta das 7h30 no KM-15 da rodovia, próximo à nova subestação da CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz).

"Estava indo trabalhar em uma chácara perto de Ibiraci e de repente vi o avião vindo na direção do carro, muito baixo, na rodovia mesmo. O piloto, um senhor de idade, conseguiu fazer o pouso. Eu parei o carro no acostamento. Estávamos em três no carro e ajudamos ele a tirar o avião da pista", contou um pedreiro de 36 anos que preferiu não se identificar.

Segundo o pedreiro, o piloto afirmou que a aeronave apresentou problemas mecânicos e vazamento de óleo, forçando o pouso.

Depois que estacionaram a aeronave nas margens da pista, o pedreiro foi embora, mas viu o piloto entrando em uma caminhonete. A aeronave foi deixada ao lado da subestação.

Já a outra versão foi apresentada por Carlos  Henrique, presidente do grupo "Off-road". Ele afirmou que foi contratado para remover as asas do avião para que ele fosse levado para o Aeroporto Lund Pressotto, em Franca.

Ele afirma que o avião estava vindo em cima de um caminhão, mas que tiveram que remover as asas da aeronave para acessar o perímetro urbano de Franca.

Vídeo viralizou
Apesar de dar a versão que estaria desmontando o avião nas margens da rodovia, Carlos Eduardo gravou um vídeo do lado do avião, afirmando que o piloto fez um pouso forçado.

"A gente morre e não vê tudo. O avião fundiu o motor aqui na rodovia. Teve sorte (o piloto)", diz Carlos no vídeo.

Já na manhã deste sábado, 13, Carlos foi até suas redes sociais e afirmou que fez o vídeo "fake" para se vingar de um jornalista que trabalha numa emissora de TV e que não quis anunciar sua ação social.

"Eu sou o motoqueiro que falou que o avião fez um pouso forçado. E sou o mesmo que desmontou o avião. Eu fiz isso e mandei para uma pessoa só. Eu sabia que essa pessoa ia fazer isso para Franca. Eu não mandei 'fake news' pra ninguém, eu só mandei para essa pessoa. Quem passou fake foi essa pessoa da TV. E eu sou o mesmo que fiz uma ação social para o Hospital do Câncer de Franca e ele (pessoa para quem mandou o video) não quis colocar nas redes sociais", afirmou Carlos Eduardo.

Investigações
Além do Cenipa, um boletim de ocorrência foi feito. Após a conclusão das investigações do órgão, se confirmado o pouso forçado, o piloto pode responder por exposição de vida em perigo. Se descartado o acidente aéreo, a Polícia Civil também investigará o caso para eventuais responsabilizações.

2 COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.

  • Alice
    13/08/2022
    Será que esse era o avião que sobrevoou extremamente baixo uns dias atrás?
  • APARECIDO DONIZETE NUNES
    13/08/2022
    Que historia mais esquisita essa, tem que se apurar mais profundamente.