RELIGIÃO

RELIGIÃO

Administrador esperto

Administrador esperto

A honestidade e a desonestidade constituem o tema central dos ensinamentos da Palavra de Deus neste domingo. Vamos meditar. Leia o artigo do mons. José Geraldo Segantin.

A honestidade e a desonestidade constituem o tema central dos ensinamentos da Palavra de Deus neste domingo. Vamos meditar. Leia o artigo do mons. José Geraldo Segantin.

Por Monsenhor José Geraldo Segantin | 18/09/2022 | Tempo de leitura: 2 min
especial para o GCN

Por Monsenhor José Geraldo Segantin
especial para o GCN

18/09/2022 - Tempo de leitura: 2 min

A honestidade e a desonestidade constituem o tema central dos ensinamentos da Palavra de Deus neste domingo. Vamos meditar.

Primeira Leitura Amós 8.
Amós vive 750 anos antes de Cristo: Israel está no auge da prosperidade.

O rei é Jeroboão II, político competente.

A religião também é respeitada.

Há, porém, um homem que não se associa ao coro dos que enaltecem a política do governo: é Amós.

Proclama ele, é verdade, sim, que há prosperidade e bem-estar, riquezas e luxo na nação, mas só para alguns. Os pobres da terra são explorados e comete-se todo tipo de opressão contra os mais fracos.

A leitura de hoje nos apresenta as denúncias e as ameaças deste profeta contra alguns dos responsáveis pela situação.

Ainda hoje há no mundo situações semelhantes àquelas denunciadas por Amós.

Segunda Leitura: 1Timóteio 2.
Na parte da Carta a Timóteo, que nos é proposta hoje, Paulo dá algumas normas a respeito da oração nas comunidades cristãs.

Recomenda que se façam preces, orações, súplicas, ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão constituídos em autoridades.

A oração da comunidade cristã é universal: é dirigida a Deus pelos bons e pelos maus, pelos amigos e pelos inimigos.

O trecho termina com uma exortação: “Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando as mãos puras, superando todo o ódio e ressentimento”.

Evangelho: Lucas 16.
Mais do que uma parábola, parece-nos que Jesus esteja narrando um fato real. Um administrador é denunciado junto ao patrão como incompetente, porque dissipa os seus bens. O patrão manda vir à sua presença, conta-lhe o que ouviu a seu respeito, não espera qualquer explicação ou justificativa da sua administração, e o manda embora naquela mesma hora.

O administrador se dá conta de que não tem saída: vai ficar sem salário e deve pensar no seu futuro.

O administrador desonesto é esperto e sabe que todo o seu futuro está em jogo.

O que fez o administrador da parábola? Em vez de se transformar em agiota dos devedores, renunciou ao que lhe cabia nos negócios.

Tanto a admiração do patrão como o elogio de Jesus têm uma explicação lógica. O administrador foi esperto, diz Jesus, porque percebeu qual era o objetivo final: entendeu que, no futuro, mais do que de dinheiro, precisaria de amigos. Renunciou ao dinheiro, para conquistar amigos.

Os bens do mundo futuro, o reino de Deus, ao invés, são chamados a verdadeira riqueza, a nossa riqueza. Estes podem ser conquistados só mediante a renúncia, a exemplo do administrador da parábola, a tudo aquilo que não tem valor.

Monsenhor José Geraldo Segantin é reitor do Santuário Diocesano de Santo Antônio.

A honestidade e a desonestidade constituem o tema central dos ensinamentos da Palavra de Deus neste domingo. Vamos meditar.

Primeira Leitura Amós 8.
Amós vive 750 anos antes de Cristo: Israel está no auge da prosperidade.

O rei é Jeroboão II, político competente.

A religião também é respeitada.

Há, porém, um homem que não se associa ao coro dos que enaltecem a política do governo: é Amós.

Proclama ele, é verdade, sim, que há prosperidade e bem-estar, riquezas e luxo na nação, mas só para alguns. Os pobres da terra são explorados e comete-se todo tipo de opressão contra os mais fracos.

A leitura de hoje nos apresenta as denúncias e as ameaças deste profeta contra alguns dos responsáveis pela situação.

Ainda hoje há no mundo situações semelhantes àquelas denunciadas por Amós.

Segunda Leitura: 1Timóteio 2.
Na parte da Carta a Timóteo, que nos é proposta hoje, Paulo dá algumas normas a respeito da oração nas comunidades cristãs.

Recomenda que se façam preces, orações, súplicas, ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão constituídos em autoridades.

A oração da comunidade cristã é universal: é dirigida a Deus pelos bons e pelos maus, pelos amigos e pelos inimigos.

O trecho termina com uma exortação: “Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando as mãos puras, superando todo o ódio e ressentimento”.

Evangelho: Lucas 16.
Mais do que uma parábola, parece-nos que Jesus esteja narrando um fato real. Um administrador é denunciado junto ao patrão como incompetente, porque dissipa os seus bens. O patrão manda vir à sua presença, conta-lhe o que ouviu a seu respeito, não espera qualquer explicação ou justificativa da sua administração, e o manda embora naquela mesma hora.

O administrador se dá conta de que não tem saída: vai ficar sem salário e deve pensar no seu futuro.

O administrador desonesto é esperto e sabe que todo o seu futuro está em jogo.

O que fez o administrador da parábola? Em vez de se transformar em agiota dos devedores, renunciou ao que lhe cabia nos negócios.

Tanto a admiração do patrão como o elogio de Jesus têm uma explicação lógica. O administrador foi esperto, diz Jesus, porque percebeu qual era o objetivo final: entendeu que, no futuro, mais do que de dinheiro, precisaria de amigos. Renunciou ao dinheiro, para conquistar amigos.

Os bens do mundo futuro, o reino de Deus, ao invés, são chamados a verdadeira riqueza, a nossa riqueza. Estes podem ser conquistados só mediante a renúncia, a exemplo do administrador da parábola, a tudo aquilo que não tem valor.

Monsenhor José Geraldo Segantin é reitor do Santuário Diocesano de Santo Antônio.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.