GOLPE

GOLPE

Influenciadora de Franca tem redes sociais hackeadas; golpistas pedem resgate

Influenciadora de Franca tem redes sociais hackeadas; golpistas pedem resgate

Ação criminosa contra a influenciadora digital Gleyce Furini, de 28 anos, já dura seis dias. Os criminosos chegaram a pedir R$ 4 mil para devolver as contas

Ação criminosa contra a influenciadora digital Gleyce Furini, de 28 anos, já dura seis dias. Os criminosos chegaram a pedir R$ 4 mil para devolver as contas

Por Hevertom Talles | 24 horas atrás | Tempo de leitura: 2 min
da Redação

Por Hevertom Talles
da Redação

24 horas atrás - Tempo de leitura: 2 min

Reprodução/Redes Sociais

Influenciadora Glayce Furini, de 28 anos, chora em vídeo após ter suas redes sociais hackeadas

A influenciadora digital Gleyce Furini, de 28 anos, ainda vive um pesadelo, que se estende desde o último domingo, 18, quando teve as suas redes sociais hackeadas. Somente no Instagram, ela tem 79,3 mil seguidores, e golpistas estão se passando por ela para divulgar falsas oportunidades de investimento, com vídeos e posts golpistas.

Gleyce descobriu que algo estava estranho, quando perdeu o sinal de área do seu aparelho. Logo depois, chegou uma mensagem de redefinição de senha de uma das redes que ela não havia solicitado.

“Chegou um código de recuperação de senha no meu WhatsApp, que era o código do Instagram. Na hora quando abri, já tinham tirado de mim, aí veio a solicitação do Facebook perguntando se era eu que estava tentando conectar em outro dispositivo, quando cliquei já tinha desconectado também do Facebook. Quando fui entrar no WhatsApp, já havia desconectado”, declara Gleyce.

A ação dos golpistas durou cerca 1 minuto e a influenciadora já não tinha mais o acesso de suas contas. Quando descobriu que perdeu o controle das redes sociais, começou a divulgar em outro perfil e, através de amigos, nas redes sociais, que teve as suas contas hackeadas, para que os seguidores não caíssem no golpe.

Segundo Gleyce, ela não sabe como eles conseguiram o acesso, mas um ponto que chama a atenção é que os golpistas fizeram a portabilidade do seu número para outra operadora sem muita dificuldade.

“Eles conseguem seu número e pegam todos os seus dados, liguei na operadora e não consta nada de gravação, só consta o pedido de portabilidade e não mostra de onde ou como, se foi em loja ou por ligação”, explica Gleyce.

A influenciadora trabalha através das suas redes sociais, divulgando marcas e produtos. Também é modelo. Mesmo entrando em contato com o suporte das redes sociais e com as operadoras, ela continua sem o acesso definitivo das suas contas.

Abalada emocionalmente com toda a situação, Gleyce enfatiza: “Eu já tinha recebido de algumas empresas, tinha contratos e trabalhos prontos e preciso divulgar, estou tendo prejuízos financeiros. Tive que pagar advogado para entrar com liminar na Justiça para recuperação das redes sociais, além de todo o desgaste de não ter apoio com as operadoras”.

Os golpistas entraram em contato exigindo que ela pagasse cerca de R$ 4 mil para que eles devolvessem os acessos. A influenciadora não pagou a quantia e um boletim de ocorrência foi registrado. Ela também acionou um advogado para uma ação contra as operadoras que, segundo a influenciadora, não prestaram nenhum respaldo.

O caso deverá ser investigado pela Polícia Civil.

A influenciadora digital Gleyce Furini, de 28 anos, ainda vive um pesadelo, que se estende desde o último domingo, 18, quando teve as suas redes sociais hackeadas. Somente no Instagram, ela tem 79,3 mil seguidores, e golpistas estão se passando por ela para divulgar falsas oportunidades de investimento, com vídeos e posts golpistas.

Gleyce descobriu que algo estava estranho, quando perdeu o sinal de área do seu aparelho. Logo depois, chegou uma mensagem de redefinição de senha de uma das redes que ela não havia solicitado.

“Chegou um código de recuperação de senha no meu WhatsApp, que era o código do Instagram. Na hora quando abri, já tinham tirado de mim, aí veio a solicitação do Facebook perguntando se era eu que estava tentando conectar em outro dispositivo, quando cliquei já tinha desconectado também do Facebook. Quando fui entrar no WhatsApp, já havia desconectado”, declara Gleyce.

A ação dos golpistas durou cerca 1 minuto e a influenciadora já não tinha mais o acesso de suas contas. Quando descobriu que perdeu o controle das redes sociais, começou a divulgar em outro perfil e, através de amigos, nas redes sociais, que teve as suas contas hackeadas, para que os seguidores não caíssem no golpe.

Segundo Gleyce, ela não sabe como eles conseguiram o acesso, mas um ponto que chama a atenção é que os golpistas fizeram a portabilidade do seu número para outra operadora sem muita dificuldade.

“Eles conseguem seu número e pegam todos os seus dados, liguei na operadora e não consta nada de gravação, só consta o pedido de portabilidade e não mostra de onde ou como, se foi em loja ou por ligação”, explica Gleyce.

A influenciadora trabalha através das suas redes sociais, divulgando marcas e produtos. Também é modelo. Mesmo entrando em contato com o suporte das redes sociais e com as operadoras, ela continua sem o acesso definitivo das suas contas.

Abalada emocionalmente com toda a situação, Gleyce enfatiza: “Eu já tinha recebido de algumas empresas, tinha contratos e trabalhos prontos e preciso divulgar, estou tendo prejuízos financeiros. Tive que pagar advogado para entrar com liminar na Justiça para recuperação das redes sociais, além de todo o desgaste de não ter apoio com as operadoras”.

Os golpistas entraram em contato exigindo que ela pagasse cerca de R$ 4 mil para que eles devolvessem os acessos. A influenciadora não pagou a quantia e um boletim de ocorrência foi registrado. Ela também acionou um advogado para uma ação contra as operadoras que, segundo a influenciadora, não prestaram nenhum respaldo.

O caso deverá ser investigado pela Polícia Civil.

COMENTÁRIOS

A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Por isso, os leitores e usuários desse canal encontram-se sujeitos às condições de uso do portal de internet do Portal GCN e se comprometem a respeitar o Código de Conduta On-line do GCN.

Ainda não é assinante?

Clique aqui para fazer a assinatura e liberar os comentários no site.